Basicamente, Adam Smith pensava que cada pessoa deveria seguir seu próprio interesse sem que o governo tentasse interferir. Assim, os preços dos produtos cairiam e a qualidade deles aumentaria. Isso porque a oferta dos produtos sempre seguirá a demanda.

Olhe os produtos que você tem em casa. Você irá notar que a maioria deles não foi fabricado no Brasil, certo?

O motivo pelo qual você os adquiriu é porque eles vêm do mercado internacional, onde a concorrência e a inovação os tornaram mercadorias melhores e mais baratas.

Alguns anos atrás, a maioria desses aparelhos poderia apenas ser comprada por pessoas de elevado poder aquisitivo. Isso mudou devido a política de livre comércio.

 

Sobre a obra

 

A Riqueza das Nações, lançado em 1776, do original “The Wealth of Nations” (em inglês), foi escrito por Adam Smith. Quase 250 anos depois de seu lançamento, essa obra clássica, continua sendo a base para a economia mundial.

Além de ser o fundador da ciência econômica, esse livro firmou uma sequência de mudanças nas políticas econômicas, o livre comércio é apenas um exemplo.

O que é livre comércio? Bem, Adam Smith vai passar o livro todo explicando exatamente isso. Nessa versão (2006), a obra é composta por 142 páginas e 10 capítulos.

Para adquirir a obra completa e ficar por dentro dos detalhes, clique no link:  

 

Sobre o autor

 

Adam Smith nasceu em 1723 na Escócia, foi filósofo e um dos maiores estudiosos da Economia Clássica. Ele fundou a base teórica do liberalismo econômico.

O autor escreveu livros renomados, tais como: “Teoria dos Sentimentos Morais”, “A Mão Invisível” e “A Riqueza Das Nações”.

 

Esse livro é indicado para quem?

 

O livre comércio permitiu que pessoas de várias partes do globo reunissem seu talento e trabalho para criar produtos que séculos atrás eram inimagináveis. Basta prestar atenção no número de pessoas que possuem smartphones.

Mas será que o livre comércio é tão bom quanto as pessoas dizem? Afinal, várias empresas mudaram sua localização, elas foram em busca de mão de obra mais barata e isso fez com que muitas pessoas perdessem o emprego.

Ao ler esse livro, você terá muito mais conhecimento sobre o que é o livre comércio e também poderá decidir por si mesmo o que pensa sobre o assunto.

 

Ideias principais do livro

 

  • As pessoas devem ser livres para agir na economia;

  • O governo não deve interferir na economia. Só deve fornecer legislação e instituições públicas específicas;

  • Lei da oferta e da procura;

  • Divisão de trabalho.

 

Overview: “Da Divisão do Trabalho”

 

Para ilustrar a ideia de como funciona a “divisão do trabalho”, Smith dá o exemplo da fabricação de alfinetes.

Normalmente, um iniciante poderia fabricar um alfinete aceitável por dia, mas quando temos alguém esticando um fio, outro cortando, outro apontando, no final teremos milhares de alfinetes por dia.

Segundo Adam, dividir o trabalho em partes menores torna a produtividade muito maior do que se apenas uma pessoa fizesse o trabalho completo. É assim que funciona o sistema de fabricação avançado.

 

Overview: “Do Princípio que Ocasiona a Divisão do Trabalho”

 

Para Smith, é fundamental uma nação ter comércio aberto com outros países. Isso porque qualquer produtor geralmente necessita de vários outros produtos para si mesmo. Por exemplo, um fabricante de calças precisa de mais do que calças para sobreviver.

Em outras palavras, um determinado fabricante irá produzir mais mercadorias, para que assim ele possa trocar por outros produtos que necessita.

 

Overview: “A Divisão do Trabalho é Limitada pela Extensão do Mercado”

 

Tendo a divisão de trabalho e a troca de produtos e serviços só existirá um limitante, o autor o chama de “extensão do mercado”. Essa “extensão do mercado” é simplesmente ter para quem vender ou trocar os seus produtos ou serviços.

Por exemplo, um fabricante de casacos comercializando em uma cidade litorânea. Nesse caso, ele deve se mudar para uma cidade de clima frio, onde sua “extensão de mercado” será muito maior.

 

Overview: “Da Origem e Uso do Dinheiro”

 

A origem do dinheiro veio da necessidade de trocar produtos. Claro, como você poderia adquirir um produto desejado se não existisse com quem trocar? Voltemos ao exemplo do vendedor de casacos.

Suponhamos que ele deseja trocar sua mercadoria por batatas, mas o vendedor de batatas não quer adquirir casacos.

Por isso é necessário algo que permita ao fabricante de casacos vender seus produtos para pessoas que não querem casacos. O dinheiro veio para solucionar esse intercâmbio de produtos.

Adam destaca que o dinheiro não tem valor algum. É valioso somente na medida em que pode comprar “trabalho”.

 

Overview: “Do Preço Real e Nominal das Mercadorias ou do Preço delas em Trabalho, e o Preço delas em Dinheiro”

 

O preço de cada produto é definido pela quantidade de trabalho necessário para produzi-lo. Esse valor não flutua, é fixo, uma vez que sempre é necessário a mesma quantidade de trabalho para criar o produto. Esta é a definição de “preço real” de Adam Smith.

Agora “preço nominal”, por outro lado, é variável. Ele está ligado ao quanto estamos dispostos a pagar por determinada mercadoria. Como exemplo podemos observar o caso dos CDs, atualmente valem menos com relação a anos atrás.

 

Overview: “Das Partes Componentes do Preço de Mercadorias”

 

Nas primeiras sociedades, o trabalhador mantinha todo o lucro proveniente de seu trabalho. Entretanto, alguns trabalhadores começaram a armazenar produtos extras.

Essas mercadorias extras foram usadas para pagar outros trabalhadores, dando origem ao que chamamos hoje de patrões.

Assim, o lucro não era mais mantido pelo trabalhador, parte dele era direcionado ao patrão. Isso porque o trabalhador deveria pagar pelo uso da terra ao seu proprietário.

Assim sendo, Adam diz que o preço de cada produto é composto de três coisas: o trabalho exigido para fabrica-lo, o lucro que o fabricante deseja ter e o aluguel pago.

Sendo que, normalmente, o aluguel e o trabalho constituem a maior parte do preço do produto.

 

Overview: “Do Preço Natural e do Preço de Mercado das Mercadorias”

 

Em todos os lugares, seja ele país, estado ou cidade, existe a tendência de um valor médio para um determinado tipo de trabalho. Esse valor é definido por Adam como “preço natural”. O que determina esse valor nada mais é do que a lei da oferta e demanda.

Se a oferta é alta e a demanda é baixa, os preços são reduzidos. Caso a oferta seja baixa e a demanda alta, os preços são acrescidos. Ainda há a possibilidade do fabricante ter o monopólio do mercado, sendo assim, ele poderá controlar a oferta de sua mercadoria.

Agora, “preço de mercado” é o preço efetivo ao qual um produto é vendido, aquele valor determinado pela oferta e demanda. Segundo Smith, a tendência é o “preço de mercado” variar em torno do “preço natural”.

 

Overview: “Dos Salários do Trabalho”

 

Segundo o autor deve existir um valor mínimo limite que um trabalhador deve receber por seus serviços. Esse valor tem de ser suficiente para manter o trabalhador vivo.

Caso o valor seja inferior a este, ele deixaria de trabalhar, obviamente, porque saberia que não há possibilidade de continuar vivendo e não haveria como criar sua família.

Adam Smith faz uma análise, do ponto de vista econômico, sobre a escravidão. Ele diz que ter um funcionário assalariado é mais lucrativo do que ter um escravo.

Além de não ter motivação para trabalhar, um escravo doente apresenta custos para seu patrão, ao contrário do funcionário assalariado que arca com suas próprias despesas.

Adam ainda defende que os trabalhadores devem ter finais de semana livres para que possam descansar e trabalhar melhor.

 

Overview: “Dos Salários e do Lucro nos Diversos Empregos de Mão-de-Obra e de Capital”

 

Por que alguns trabalhos são mais pagos que outros? Bem, Adam Smith dá cinco razões para isso.

A primeira delas é que alguns trabalhos são sujos e grosseiros, então a remuneração desse trabalho é aumentada.

Existem também trabalhos fáceis e difíceis. Quanto mais difícil de executar, quanto maior a habilidade necessária, maior será o salário.

A terceira delas é o emprego temporário. A remuneração deste emprego é maior porque a pessoa deve ser paga, também, pelo tempo que ficará a procura de outro emprego.

Outra razão é a responsabilidade. Segundo Adam, “Nós confiamos nossa saúde ao médico [...]. Tal confiança não poderia, seguramente, ser depositada em pessoas de uma condição ou meios muito baixos”. Portanto, essa responsabilidade faz aumentar a remuneração.

A quinta razão é a probabilidade de sucesso ou fracasso naquele emprego. O autor diz que “a probabilidade de que uma determinada pessoa se qualifique um dia para a ocupação para a qual ela é educada, é muito diferente, em diferentes ocupações”.

Por outro lado, Adam menciona, ainda, que restrições do governo e impostos sobre mercadorias importadas blindam fabricantes, do próprio país, da concorrência externa. Dessa forma, os preços e os lucros são mantidos altos, mas todo mundo sai prejudicado.

Existem, também, políticas governamentais que vetam os indivíduos de se mudarem para outros lugares para trabalhar.

Segundo Adam, assim como as empresas mudam de lugar para buscar melhores trabalhadores e custos mais baixos, os trabalhadores também precisarão se mover para onde quiserem.

 

O que outros autores dizem a respeito?

 

No recomendado Everybody Matters, os autores exploram como os verdadeiros líderes devem continuamente estudar para se desenvolver e desenvolver aqueles ao seu redor, para que se tornem também excelentes líderes que acreditam e valorizam as pessoas.

Além disso, os colaboradores devem ser encorajados a inovar e experimentar coisas novas, mesmo que falhem. Isso faz com que elas percebam que os gestores têm plena confiança no seu potencial e no seu trabalho. No livro, essa prática é denominada “liberdade responsável”.

Ed Catmull, autor do livro Criatividade S.A. aconselha: sempre dê maior preferência às pessoas do que às ideias, pois pessoas criativas criam boas ideias, mas boas ideias podem ser destruídas por equipes ruins.

No livro The Happiness Industry, o autor William Davies explica que a falta de engajamento do trabalhador prejudica a produtividade, e as doenças psicológicas generalizadas sobrecarregam os recursos do governo.

As taxas crescentes de depressão e desengajamento dos trabalhadores podem explicar por que os que estão no poder nas corporações e no governo agora priorizam o cultivo da felicidade.

Os líderes empresariais e os gerenciadores de políticas públicas dedicam-se intensamente às técnicas e tecnologias que podem usar para medir e mitigar o estresse, a apatia e a depressão.

 

Certo, mas como posso aplicar isso na minha vida?

 

No final do livro, Adam Smith, deixa claro que algumas coisas não podem funcionar de maneira adequada no livre comércio, ou seja, elas deveriam ser de posse do governo. Alguns exemplos seriam as escolas, a polícia e os hospitais.

Bem, agora que você está mais bem informado sobre o que é o livre comércio, você já pode formar a sua opinião sobre o assunto. Claro, se acha que deve se aprofundar no assunto para saber mais, basta adquirir a obra completa de Adam Smith.

 

Gostou desta análise?

 

O que achou da obra de Adam Smith “A Riqueza Das Nações”? Deixe seu feedback para sabermos sua opinião e oferecer sempre o melhor para você!

Se quiser se aprofundar mais no assunto, você pode aproveitar e adquirir o livro clicando na imagem abaixo:

 

    

 

Finalmente você terá a oportunidade de estudar com referências em liderança e gestão e fazer parte de uma rede de alta performance para desenvolver habilidades e se preparar para o emprego dos sonhos!

A Voitto Premium é um plano de assinatura criado para quem está em busca de uma solução acessível para se preparar para os desafios do mercado.

No nosso clube de vantagens, os assinantes têm acesso aos cursos, mentorias, VoittoCast, Power Hacks, Let’s Grow, conteúdos exclusivos, além de uma rede de Networking conectada e engajada. Seja Premium!

 

 

Nota:
O conteúdo apresentado acima traduz a visão e análise crítica da nossa equipe de redatores, respeitando os fundamentos de propriedade intelectual no Brasil (artigo 8, inciso I).
Nenhuma parte do livro está sendo copiada. São conteúdos únicos e exclusivos, sempre dando créditos aos autores e indicando o link para aquisição da obra completa. A Voitto respeita o código de direitos autorais de acordo com o estabelecido na legislação brasileira, Lei 9.610/98.
Este conteúdo é de propriedade exclusiva da Voitto e está protegido pela Lei de Direitos Autorais em seus artigos 46, I, (a) e em seu artigo 47, isso porque não se trata de reprodução e também não lhe implicam qualquer descrédito, pelo contrário, o direito moral é protegido e, como ressaltado anteriormente, o leitor recebe um link para adquirir a obra. É proibida a reprodução deste material sem a autorização da empresa.