Você já ouviu falar de Soft Skill? Stakeholder, Coping ou de Benchmarking? Existe uma infinidade de termos em inglês que estão envolvidos na área de projetos, não é mesmo? Nesse sentido, “Design Thinking”, mais do que um termo novo, é hoje uma peça chave para a inovação.

Mas o que você sabe sobre Design Thinking? Afinal, o que isso tem a ver com o desenvolvimento de projetos?

Neste artigo, você vai ficar por dentro de tudo sobre o tema. Vem comigo?!
 

O que é Design Thinking?
 

O termo surgiu na Universidade de Harvard e na de Stanford e consiste em um modelo de desenvolvimento criativo que busca por respostas inovadoras para os problemas identificados. É uma abordagem que sugere melhorias com base nos conceitos do design, fazendo uso da sensibilidade deste.

Já é de se esperar então que envolva muito brainstorm e elementos visuais. Pra ficar ainda melhor, as pessoas são o centro e o enfoque desses projetos.

Isso é o Design Thinking. É o famoso pensar “fora da caixa” enquanto entrega muito valor para o cliente.
 

Como funciona e como posso aplicar?
 

O Design Thinking não cumpre uma sequência rígida de processos para sua aplicação. Assim, o que existe hoje são algumas etapas fundamentais para a concepção de projetos alinhados com essa abordagem criativa. Confira quais são essas etapas:
 

1.Identificação
 

O início do Design Thinking é o entendimento completo do problema em questão. O projeto em si pode ser problemático ou podem existir alguns pontos fracos específicos. Pesquisas de mercado, reuniões com o cliente, entrevistas e benchmarkings podem te ajudar no reconhecimento dessas oportunidades de melhoria;
 

2.Ideação
 

Sabendo em quais pontos o projeto pode inovar, a questão é como fazer isso. Nesse momento, a equipe de projeto deve reunir pessoas de diferentes áreas para enriquecer os brainstormings gerados. O principal objetivo é criar novos caminhos para resolver os desafios e, dessa forma, inovar;
 

3.Prototipação/Experimentação
 

Aqui ocorre a validação do que foi proposto através de testes. A melhor ideia sugerida na fase anterior é colocada em prática e avaliada. Inclusive, novos insights podem surgir para aprimorar a ideia original.
 

4.Implementação
 

Após o sucesso relativo da ideia testada, é chegada a hora de aplica-la. Digamos que o problema identificado foi o atraso nas entregas e a solução pensada foi criar um cronograma. Este, ficaria disponível em um aplicativo para cada um dos envolvidos no projeto. Agora é a oportunidade de por tudo isso pra funcionar! Só não esqueça de definir os responsáveis e indicadores para avaliar o que está sendo feito.

“Ok, entendi todo o procedimento. Mas o que eu ganho com isso?”. Vamos aos benefícios então!
 

Quais são os benefícios?
 

Em comparação a outros modelos de projeto, o Design Thinking se destaca como um meio de suprir as lacunas dos processos mais tradicionais. Segundo Aldo Pires, professor Mestre em Sistemas e Computação e engenheiro eletrônico: “A empatia, co-criação e prototipação são pontos específicos para captar essas lacunas e descobrir as reais necessidades do cliente, que consequentemente geram projetos com valor para os mesmos”.

Assim, as vantagens do Design Thinking são competitivas. Inovar é uma tarefa árdua, mas essencial para uma diferenciação de mercado e é aqui que essa abordagem criativa faz toda a diferença.

Um projeto que faz o seu uso tem muito mais chances de ter um escopo bem alinhado, falhar e corrigir mais rápido e oferecer um valor agregado muito maior ao cliente.

A proposta é que as oportunidades de melhoria sejam analisadas em conjunto com as pessoas que serão impactadas diretamente por elas; que os protótipos sejam construídos e testados ainda durante o processo e que as experiências geradas no projeto sejam tão boas para os clientes como o são para quem as executa.


E aí, pronto para inovar?
 

Ganhando em tempo, recursos e qualidade, que gerente não vai desejar o Design Thinking para seus projetos? Você também não vai ficar de fora dessa, não é?

Depois de tudo o que foi discutido aqui, dê uma chance, explore novos caminhos, faça diferente da concorrência, implemente o Design Thinking em seus projetos e consolide o seu lugar no mercado.

Depois conta pra gente como foi essa experiência e todos os seus resultados positivos!

Se você gostou desse artigo ou tem alguma dúvida, deixe seu comentário abaixo ou entre em contato conosco. Seu feedback é importante pra nós!

 

Dica Bônus

 

Você já ouviu falar nas ferramentas do Lean Seis Sigma?

Se você quer saber mais sobre essas ferramentas e sobre muitas outras, você precisa baixar nossos e-books As Principais Ferramentas do Lean Seis Sigma e As 7 Ferramentas da Qualidade.

E se você quiser aprender tudo o que você precisa saber para iniciar um projeto Lean, então você está procurando pelo Pacote Especialista Lean.

Não perca tempo e comece já sua escalada rumo ao topo da metodologia que mudou o modo de se produzir de forma considerável. Inscreva-se já!