O Pix é o novo sistema de pagamentos imediatos do banco central que promete revolucionar o jeito de se enviar e receber dinheiro.

Esse método de pagamento é a mais recente ferramenta anunciada pelo Banco Central do Brasil, que chega em novembro de 2020 buscando modernizar os métodos de pagamento, fazendo uso de novas tecnologias que proporcionarão agilidade, disponibilidade e segurança nas transações financeiras.

Seria esse o fim de todas as formas de transferências e pagamentos as quais estamos habituados atualmente? Para entender como o Pix vai revolucionar o dia a dia do brasileiro, substituir o TED, o DOC e até o dinheiro em espécie e tornar os pagamentos mais rápidos, seguros e descomplicados, continue neste artigo.

 

O que é o Pix?

 

O Pix é um meio de pagamento instantâneo anunciado pelo Banco Central em 19 de fevereiro que promete transferências e pagamentos em tempo real, ou, em no máximo, dez segundos. O sistema permitirá transações 24 horas por dia e em todos os dias da semana, inclusive em feriados.

Além de agilidade e disponibilidade o Pix promete segurança. Os usuários do sistema deverão usar chaves de endereçamento, tais como CPF, CNPJ, email ou número de celular. Os pagadores poderão usar a biometria ou o reconhecimento facial para serem reconhecidos.

Além das formas citadas acima, já muito usuais em outros tipos de transferência como teds e docs, o Pix fará uso de QR codes estáticos e dinâmicos.

O primeiro, será mais usado para transações onde se define um valor para um produto, enquanto o segundo, para pagamentos de compras em mercados por exemplo, já que o valor é diferente em cada transação.

Mas será que a ferramenta vai funcionar na prática? Para garantir a utilização do Pix no Brasil, o Bacen tornou a disponibilização do serviço obrigatória por parte de todas as instituições financeiras com mais de 500 mil clientes. Essa regra inclui todos os principais bancos do país, o que engloba 90% das transações diárias.

Fazendo uso do meio de pagamento ou não, é muito importante para a sua saúde financeira e para a sua prosperidade que aprenda a analisar a mudança de  valor do dinheiro no tempo, noções de contabilidade e outros conceitos, para isso e muito mais, faça já o  Curso Gratuito de Fundamentos de Gestão Financeira.

 

Curso Fundamentos Essenciais da Gestão Financeira

 

Como funcionam os pagamentos atualmente?

 

Atualmente no brasil temos algumas formas principais de  pagamento, que serão explicadas a seguir:

 

Dinheiro em espécie

Não há mistério aqui, tratam-se das cédulas de dinheiro e moedas do Real, moeda corrente oficial da República do Brasil. O dinheiro em espécie ainda é muito utilizado no Brasil, mas vem, cada vez mais sendo substituído pelas outras formas de pagamento e, medidas como o Pix, tendem a contribuir para esse efeito.

 

Boleto bancário

O boleto bancário é emitido pela instituição ou empresa que receberá o valor de alguma compra ou tarifa, sendo assim, custeado por ela.

É um meio muito útil pois permitirá a realização de pagamentos por pessoas que não necessariamente possuem conta em alguma instituição financeira.

Pode levar até 3 dias úteis após o pagamento para ser compensado.

 

Cartão de débito

Forma de pagamento eletrônica que deduz o valor à vista de uma compra diretamente da conta de seu titular. Cartões são na verdade  intermediadores de pagamento que assumem a responsabilidade sobre os riscos da análise do pagamento no lugar do cliente.

 

Cartão de crédito

Forma de pagamento eletrônica em que o valor é cobrado do titular do cartão em um certo dia do mês por meio de uma fatura. Permite o parcelamento de compras e, no caso de não pagamento ou pagamento atrasado, cobra juros sobre o valor.

 

Transferência entre contas de um mesmo banco

Trata-se da transferência direta de dinheiro entre pessoas que possuem conta em um mesmo banco.

Ao menos 2 transações desse tipo são disponíveis de maneira gratuita em todo tipo de conta, algumas bancos cobram a partir da terceira, mas muitos já extinguiram as tarifas de forma ilimitada para tal tipo de operação.

 

Transferência entre contas de bancos diferentes (DOC ou TED)

Nesse caso é necessário fazer um DOC (Documento de Ordem de Crédito) ou um TED (Transferência Eletrônica Disponível).

Independente da escolha, nesses métodos será necessário o nome do beneficiário, CPF ou CNPJ, os dados bancários e o tipo de conta.

O DOC é limitado a 4.999,99 reais e só é debitado no dia útil seguinte ou no dia agendado, para transações feitas antes das 22h. Não 

A TED é mais rápida, pode enviar qualquer valor e cai na conta do beneficiário em alguns minutos se feita antes das 17h de um dia útil, após esse horário o valor cairá no dia útil seguinte.

Vale lembrar que a maioria dos bancos ainda cobra valores consideráveis para realizar tais operações, o que inviabiliza transferências (principalmente de valores pequenos).

 

Vantagens do Pix

 

Sendo assim, agora que você já sabe o que é o Pix e como funcionam os pagamentos atualmente, vamos elencar quais são as vantagens buscadas pelo Bacen e trazidas por meio desse novo sistema de pagamentos para o dia a dia do brasileiro ao fazer uma transferência ou realizar o pagamento de contas.

Veja as vantagens do Pix sobre cada forma de pagamento atual:

  • Pagamento instantâneo: essa é a principal característica do Pix e já de cara, nela ele desbanca o boleto bancário, o cartão de crédito e o DOC, já que essas demandam tempo até cair na conta do recebedor;

  • Pagamento sempre disponível: outra característica principal da nova ferramenta consiste na disponibilidade. Podendo ser feita a qualquer momento do dia, em dias úteis ou não, nessa característica o Pix desbanca todos ou outros meios de pagamento, exceto o dinheiro em espécie;

  • Pagamento prático: o smartphone é quase uma “extensão” do corpo das pessoas ultimamente e, tê-lo, junto de uma conta em algum banco são as únicas restrições para realizar um Pix. Isso é mais prático que o dinheiro em espécie pois não gera troco, que o boleto pois não precisa de impressão, que os cartões pois não necessita de plástico ou de chips e que as transferências pois requer menos dados do recebedor;

  • Pagamento mais barato: as instituições financeiras que disponibilizarem o Pix poderão optar por cobrar pelo serviço, porém, o que se espera é que o serviço seja mais barato que os TEDs e DOCs utilizados atualmente e mais barato também que as taxas cobradas pelas bandeiras de cartões nas compras no crédito.

  • Pagamento mais seguro: o uso das chaves de endereçamento ao recebedor e dos meios de identificação do pagador tornam o Pix muito  seguro. Mais seguro do que andar com o dinheiro em espécie e cartões, correndo o risco de perda ou furto dos mesmos.

 

PIX: O futuro do dinheiro chegou ao Brasil!

 

O PIX tem previsão de ser  lançado em novembro de 2020 e pode representar um efeito muito inovador no Brasil. Se os objetivos forem alcançados o principal efeito do PIX a ser observado no nosso cotidiano será a desmonetização da população.

Cédulas e moedas serão cada vez menos funcionais se comparadas ao novo meio de pagamento e a relação do indivíduo com o dinheiro deixará de ser física ou visual e passará a se basear mais no valor propriamente dito, diminuindo assim, o fator emocional dessa relação.

Por isso é dito que a utilização deste recurso tem o poder de revolucionar o sistema financeiro nacional, como ferramentas semelhantes já fizeram em outro países. Na Índia utiliza-se o UPI, na Europa o PSD2 e nos EUA o Zelle.

Então, se você quer entender como se relacionar com o dinheiro, da maneira nova ou da antiga, e aprender a usar ferramentas, indicadores e métricas para potencializar a sua vida financeira, faça já o  Curso de Gestão Financeira e Análise de Investimentos.

 

Curso de Gestão Financeira e Análise de Investimentos