Os mésons, principais responsáveis pela união de prótons e nêutrons dentro de um núcleo atômico possuem, aproximadamente, um sétimo da massa de um próton. Hã!?

 

 

Calma! Você não está no artigo errado! A frase acima é bem diferente do que você esperava, não é mesmo? Mas continue lendo aí que você vai entender!

Talvez seja mais fácil de compreender o contexto se ele for explicado de outra forma, saca só: os mésons, estudados pela física quântica, são partículas que possuem tamanhos muito pequenos, menores que um átomo.

Parece mais fácil de entender agora? Apesar de esse ramo da ciência ser extremamente complicado, é possível expressar conceitos técnicos e complexos como esse de uma maneira simples e de fácil entendimento.

É aí que entra o Sense-making, que em tradução literal significa “fazer sentido”.

Nesse artigo, vamos entender melhor seu conceito e sua importância para uma liderança de sucesso!

 

O que é o Sense-making?

 

O princípio do Sense-making é fazer-se entender, criar um sentido, dar significado às coisas para que se possa compreender com maior facilidade uma situação ou um conceito.

O que está acontecendo lá fora? Como podemos entender e mapear esses acontecimentos? Podemos usá-los a nosso favor? Essas são as perguntas básicas que o idealizam.

É ele que nos possibilita transformar a complexidade dos diversos assuntos emergentes no mundo, em uma situação que pode ser entendida de maneira mais simples.

Esse conceito, um tanto quanto filosófico, foi elaborado por Karl Weick. Ele implica que o Sense-making pode ser entendido, simplesmente, como forma de “dar sentido a alguma coisa”, ou ainda, como o processo de “estruturar o desconhecido”.

Como diz a pesquisadora do MIT, Deborah Ancona, “Às vezes, tentar explicar o desconhecido é a única maneira de saber o quanto você sabe sobre aquele assunto.”

 

 

Estranho, não é mesmo? Porém, essa atividade nos permite entender, construir e organizar conceitos obscuros e complicados e, então, traduzi-los em uma forma mais simples.

Logo, é possível, através da prática desse exercício, facilitar a compreensão do time de trabalho e, assim, auxiliar a tomada de decisão acerca de algum problema dentro de uma organização.

 

Qual é a importância do Sense-making para uma empresa?

 

O Sense-making torna-se necessário quando nosso conhecimento de mundo começar a ficar  enigmático, isso é, quando há, de certa forma, uma dificuldade de se entender alguma coisa.

Atualmente, é massivo o número de informações que existem na Terra. Somado a isso, tem-se a imensa velocidade com que esses dados trafegam.

Dessa forma, a todo momento estão surgindo conceitos, ferramentas, metodologias e meios para se solucionar os mais diversos problemas. Uma organização que precisa desses conhecimentos pode e está sujeita a mudanças rápidas em seu ambiente.

Pois, para se manter no mercado contemporâneo, uma empresa precisa estar sempre buscando inovação, qualidade e diferenciais, devido à alta competitividade existente.

No mundo dos negócios, o Sense-making pode ser usado para aprender mais sobre as mudanças do mercado e nos hábitos dos clientes, e até mesmo sobre novas tecnologias.

Há um senso de urgência e de necessidade dentro do ser humano capaz de fazer com que o mesmo busque saber mais sobre algum determinado assunto quando esse lhe é de interesse.

Portanto, o Sense-making permite que uma empresa, por exemplo, compreenda com maior facilidade os riscos de se implementar um novo produto no mercado. E, ainda, pode auxiliar gestores a resolver problemas nunca antes vistos por eles.

 

Habilidade fundamental de um líder: Sense-making

 

O Sense-making é considerado uma das quatro habilidades-chave que um líder de sucesso precisa apresentar, juntamente com a capacidade de se relacionar, de ser visionário e de inovar.

  • Relacionar: capacidade de comunicar e interagir com os funcionários, sempre tendo como base a confiança;

  • Visionário: ser capaz de enxergar além de possibilidades atuais.

  • Inovador: busca maneiras de alcançar os diferenciais avistados, tomando ações rápidas para tirar vantagem das oportunidades;

  • Sense-making: dominar assuntos complexos do mundo e fazer com que sua equipe os entenda de forma simples, visando alcançar o melhor resultado possível.

 

O Sense-making na liderança

 

Para que um líder seja capaz de se explicar e repassar informações de difícil compreensão, ou até mesmo adicionar mais conteúdo a conceitos já usados, buscando melhorar a eficiência da empresa, ele precisa transitar do complexo para o simples.

Mas, como assim!?

O conceito de Sense-making, como dito anteriormente, envolve “perguntar ao mundo” o que há de novo ou ainda, essencial. O universo atual permite acesso a um número gigantesco de informações.

Portanto, um líder irá se deparar com os mais diversos e variados dados. Porém, muitas vezes esses conteúdos serão complexos e de difícil entendimento para sua equipe de trabalho e talvez até para o próprio.

Dessa forma, para atingir seu objetivo, ele precisa tomar decisões a respeito desses novos conhecimentos obtidos. Então, a partir disso, deve trabalhá-los organizando, categorizando e classificando-os de maneira adequada.

Consequentemente, após realizados esses procedimentos, o complexo se transforma em simples e com maior nível de entendimento. Assim, é possível facilitar o trabalho de seu time, que compreende melhor o que precisa fazer.

Se for pensar assim, dá pra entender o Sense-making como aquela expressão, “conteúdo mastigado”. No entanto, ele vai muito além disso! Além de se fazer entender de forma simples, ele possibilita um maior conhecimento de ambiente.

 

Conhecimento de ambiente

 

Ser um líder é uma tarefa nada fácil. Saber o que fazer e qual rumo tomar, visando garantir o sucesso de um negócio, contornando todos os obstáculos que aparecem, é uma tarefa muito complicada.

Portanto, o líder precisa ser disciplinado e ter muita competência. Mas isso não será suficiente para o mundo moderno! Eles precisam compreender o que está acontecendo ao seu redor, dentro e fora da companhia!

Esse conhecimento de mundo, provido pelo Sense-making, permite guiar o empreendimento com maior facilidade já que proporciona identificar pontos extremamente importantes para seu sucesso.

 

Relação entre as habilidades de um líder

 

As habilidades de liderança acontecem de forma simultânea. Um líder está sempre se relacionando com sua equipe de funcionários, claro, para fazer um Sense-making efetivo ele precisa fazer isso.

Dessa forma, trabalhando juntos, a equipe é capaz de criar relações fortes que podem estimular trocas de ideias de maneira mais natural. Assim, a capacidade criativa do grupo é motivada por visões diferentes que muitas vezes podem levar à inovação.

 

 

Usando o Sense-making de maneira prévia

 

Quando um profissional é contratado para executar um cargo de liderança dentro de uma empresa que ele nunca trabalhou, o Sense-making também pode ajudar. Dessa forma, ele consegue levantar e estruturar maneiras para se engajar ao grupo mais facilmente.

 

Como fazer um Sense-making eficiente?

 

Como você percebeu, apesar de ser usado para simplificar as coisas, o conceito de Sense-making é, por si só, bastante complexo e filosófico. Irônico, não? É como se precisássemos usar o Sense-making para explicar o próprio Sense-making.

Para simplificar sua aplicação, o conceito pode ser dividido em três elementos principais: exploração do ambiente, contextualização do sistema e aprendizado e atuação sobre o mesmo.

Dessa forma, para se fazer um Sense-making efetivo existem diversas dicas relacionadas a cada um desses elementos:

 

Exploração do Ambiente:

 

  1. Busque os mais diversos tipos de informações possíveis. Desde dados mais exatos, como histórico financeiro da empresa, até dados mais subjetivos, através de conversas com funcionários;

  2. Envolva mais pessoas para auxiliar a criação de um sentido para uma situação. Essa interação auxilia o processo de se fazer entender através de feedbacks, por exemplo.

  3. Vá além do pensamento genérico! Tente entender todas as variações de cada uma das situações específicas que são de interesse para seu negócio.

  4. Aprenda com aqueles que estão mais próximos da linha de frente, isto é, saiba o que os consumidores querem comprar e quais são as novas tecnologias. É preciso ser capaz de observar as atuais tendências do mercado.

 

Contextualização do sistema

 

  1. Não use um framework já existente para cobrir uma nova situação-problema em sua empresa. Baseado no entendimento dessa situação, elabore um novo!

  2. Após estabelecido o framework use de imagens e metáforas para descrever os elementos vitais para a solução do problema e então organize e distribua as demandas para os colaboradores;

 

Aprendizado e atuação sobre o sistema

 

  1. Se você não tem certeza sobre como um sistema funciona, tente algo novo. Antes de aplicar uma ação sobre o sistema, trabalhe as pequenas parcelas do mesmo, aprenda com essas experiências;

  2. Enquanto você está testando coisas novas, cuidado com impacto que elas podem causar no seu no ambiente de trabalho! Entenda bem o sistema para poder melhorá-lo.

 

Saiba como lidar com a complexidade

 

Com o advento da indústria 4.0 e suas tecnologias, o mundo está se tornando cada vez “menor”, as distâncias estão encurtando; porém, ao mesmo tempo, a complexidade está aumentando.

Para nos ajudar a encarar situações desconhecidas e de incerteza, dando sentido a essa forma de evolução, saber fazer um bom Sense-making é cada vez mais necessário.

Para isso, é muito importante saber como se comunicar e apresentar ideias de forma eficiente.

Aqui na Voitto você pode conseguir essas habilidades agora! Basta clicar no botão abaixo para começar o nosso curso de Oratória e Técnicas de Apresentação.

 

 

Temos certeza de que, ao concluir esse curso, você será capaz de lidar melhor com as pessoas, o que vai te ajudar a elaborar um Sense-making de excelência e guiar a sua equipe de encontro ao sucesso!

Gostou desse texto? Deixe um comentário aí pra gente! Seu feedback nos ajuda a crescer e melhorar nosso conteúdo ainda mais.

 

Referência:

  • ANCONA, Deborah. Sense-making: Framing and Acting in the Unknown. In: ANCONA, Deborah et al. The Handbook for Teaching Leadership: Knowing, Doing, and Being. [S. l.]: SAGE, 2012.