Por que algumas empresas prosperam na incerteza, até mesmo no caos e outras não? Em nove anos de pesquisa, os autores Jim Collins e Morten Hansen compararam empresas que obtiveram sucesso em cenários imprevisíveis com suas concorrentes que sucumbiram.

A partir do contraste entre elas, foram identificados princípios fundamentais para construir uma empresa de sucesso em tempos imprevisíveis como os de hoje. Os autores querem mostrar que ser o melhor é uma decisão, não uma obra do acaso.

Nesse resumo, vamos analisar mais a fundo os princípios desenvolvidos pelos autores. Não vai perder essa, né? Continue comigo!

 

Sobre a obra

 

Lançado em 2011 com o título original “Great by Choice”, o livro traz os resultados das pesquisas de 9 anos dos autores. Assim como em “Empresas Feitas para Vencer”, foi feita uma análise histórica comparativa.

A diferença é que a avaliação foi feita considerando, além do desempenho e da envergadura das empresas, também as condições extremas dos seus ambientes de negócios.

Na versão brasileira publicada em 2012 pela HSM Editora, traz o prefácio escrito por Jorge Paulo Lemann, amigo pessoal de Jim Collins e cuja história é contada nesse livro: Sonho Grande.

Além disso, na capa traseira está representada uma visão sobre o livro feita por Abílio Diniz, Presidente do Conselho de Administração do Grupo Pão de Açúcar.

A versão completa do livro está disponível no link:


Sobre os autores

 

Jim Collins é autor ou coautor de seis livros que, no total, já venderam mais de 10 milhões de cópias. Entre eles, estão os sucessos “Empresas Feitas para Vencer”, “Feitas para Durar” e “Como as Gigantes Caem”.

Atualmente, Collins dá palestras e presta consultoria para executivos dos setores corporativo e social.

Morten T. Hansen é professor de gestão na University of California. Foi gestor do Boston Consulting Group.Ph.D pela Stanford Graduate School of Business, faz palestras e presta consultorias para empresas do mundo todo.

 

Esse livro é indicado para quem?

 

O conteúdo disposto pelos autores vai ajudar pessoas que buscam entender as estratégias utilizadas por empresas para sobreviver e prosperar, mesmo em condições extremas e/ou instáveis.

 

Ideias principais do livro

 

Em 2002, quando os autores iniciaram as pesquisas, eles selecionaram para o estudo as empresas que apresentavam as seguintes características:

 

  • Resultados espetaculares em relação ao mercado de capitais e ao seu setor específico, sustentados por um período de 15 anos ou mais;

  • Tais resultados foram atingidos em meio a um ambiente turbulento, marcado por eventos incontroláveis, incertos e potencialmente danosos;

  • O empreendimento começou sua jornada para a grandeza a partir de uma posição de vulnerabilidade.

 

As empresas que atendiam esses requisitos foram chamadas pelos autores de “empresas 10X”.

Além disso, os pontos de destaque dos resultados dos estudos conduzidos por Collins e Hansen são:

 

  • Os líderes da empresas 10X não assumiram mais riscos nem foram mais visionários ou criativos; foram, na verdade, mais disciplinados, empíricos e paranoicos;

  • É importante ter a competência para dosar a inovação e mesclar a criatividade com disciplina;

  • As empresas mais bem-sucedidas reagiram às mudanças radicais do mundo com menos transformações que suas concorrentes.

 

Overview - Princípio 1: líderes 10X

 

O primeiro princípio tratado no livro é o de “líderes 10X”. Os autores os identificam como responsáveis por conduzir empresas durante um período de “real prosperidade”, no qual superaram em pelo menos dez vezes o índice de crescimento de seu setor.

Esses líderes compreendem que não são capazes de prever todos os obstáculos que vão encontrar e que nada pode ser dado como certo.

No entanto, eles são contra a ideia de que a sorte, o acaso ou outros fatores externos sejam determinantes para o seu sucesso ou fracasso.

Em sua pesquisa, os autores notaram que os líderes 10X compartilham os seguintes comportamentos:

 

  • Disciplina fanática: seus valores, metas, padrões de desempenho e métodos são profundamente consistentes, independente das circunstâncias;

  • Criatividade empírica: confiam na experimentação prática e no envolvimento com as evidências tangíveis. Os seus movimentos mais criativos e ousados são apoiados em uma sólida base empírica;

  • Paranoia produtiva: estão sempre atentos e compreendem que a qualquer momento as circunstâncias podem se virar totalmente contra eles. A partir disso, focam em ações, preparação, construção de planos de contingência e manutenção de margens de segurança.

  • Ambição: aspiram coisas maiores do que seu próprio crescimento pessoal. Canalizam seu ego para suas empresas e para o propósito delas.

 

Overview - Princípio 2: a marcha das 20 milhas

 

Para explicar esse conceito, Collins e Hansen fazem uma analogia com a corrida para chegar ao Pólo Sul, realizada em 1912.

Na época, duas expedições se lançaram em busca de um dos pontos mais inóspitos da Terra: uma era liderada pelo inglês Robert Scott e a outra pelo norueguês Roald Amundsen.

Em sua jornada, Amundsen adotou um regime de progresso consistente: nunca avançava demais com o tempo bom, evitando levar sua equipe à exaustão, mas compensava com um esforço maior quando as condições ficavam ruins, mantendo sempre um ritmo.

Scott, por sua vez, levava sua equipe à exaustão nos dias de tempo bom e, quando o tempo estava difícil, não avançava e ficava em sua tenda se protegendo e reclamando.

No fim, a equipe de Amundsen chegou ao seu objetivo 34 dias antes da equipe de Scott.

No contexto empresarial, manter uma marcha constante exige que a empresa mantenha um desempenho consistente durante um longo período de tempo.

Essa prática requer que a organização apresente um crescimento elevado em tempos difíceis e limite o desenvolvimento em épocas favoráveis.

Para determinar uma boa marcha das 20 milhas, os autores selecionaram as seguintes características:

 

  • Utiliza marcos de desempenho bem claros;

  • É adequada ao empreendimento;

  • Está fundamentalmente sob controle da empresa;

  • É feita em um período suficientemente longo para administrar e curto o bastante para produzir resultados;

  • É concebida e imposta pela própria organização;

  • Deve ser realizada com grande consistência.

 

Overview - Princípio 3: primeiro balas de revólver, depois balas de canhão

 

De acordo com os autores, uma “bala de revólver” é um experimento de baixo custo, de  baixo risco e de baixo poder de atração. O objetivo desse teste é conseguir a evidência empírica do que efetivamente funciona naquele mercado.

Baseado nessa evidência, pode-se concentrar os recursos no que os autores chamam de “bala de canhão”, que é um produto/serviço que demanda grande esforço e vai trazer sucesso para a empresa.

No entanto, os autores destacam que é preciso tomar cuidado ao disparar as balas de canhão, pois se não estiverem bem “calibradas” podem causar um impacto estrondoso na saúde da empresa.

Por isso, é importante “calibrar” bem as balas de canhão utilizando as balas de revólver como teste e forma de aprendizado.

 

Overview - Princípio 4: liderar acima da linha da morte

 

Com base na pesquisa, foi possível perceber que os líderes 10X são prudentes com relação à administração de riscos. Isso tem muito a ver com a “paranoia produtiva”, comportamento que definimos anteriormente, lembra?

Inicialmente, os autores três categorias de risco que os melhores líderes estão constantemente prestando atenção:

 

  • Risco na linha da morte: pode matar o empreendimento ou prejudicá-lo seriamente;

  • Risco assimétrico: as desvantagens superam as vantagens;

  • Risco não controlável: não pode ser administrado.

 

Overview - Príncipio 5: receita EMC

 

EMC é uma sigla para “específico, metódico e consistente”. Uma receita EMC é um conjunto de práticas operacionais duradouras que cria uma fórmula de sucesso replicável e consistente.

Os autores explicam que uma boa receita EMC deve ter as seguintes características:

 

  • É clara e concreta;

  • Permite que a organização unifique e organize seus esforços;

  • Fornece orientações claras sobre o que fazer e o que não fazer;

  • Reflete a evidência empírica com relação ao que funciona e o que não funciona.

 

O alinhamento com a receita EMC foi essencial para as empresas 10X estudadas, especialmente para aquelas que atuam dentro de um ambiente incerto e mutável. Dessa forma, elas conseguem manter a consistência e a disciplina.

 

O que outros autores dizem a respeito? 
 

No recomendadíssimo livro Pipeline de Liderança dos autores Ram C., Stephen D. e James N. explicam quais são as 7 fases de liderança e as 6 transições entre elas que um líder deve passar para alcançar um nível ótimo de gestão.

Eric Ries no livro A Startup Enxuta, complementa e expande a ideia do princípio 3 - primeiro balas de revólver, depois balas de canhão. No conceito da Lean Startup é possível se utilizar dos recursos tecnológicos para validar ideias e só depois verificar sua viabilidade.

Os autores citam o conceito de cisne negro, desenvolvido por Nassim Nicholas Taleb em seu livro A Lógica do Cisne Negro, como um evento que quase ninguém consegue prever.

Entretanto, é importante notar que é muito difícil prever que um cisne negro específico irá ocorrer, mas é fácil imaginar a probabilidade de que algum cisne negro vai acontecer.

 

Certo, mas como posso aplicar isso na minha vida?

 

Analisamos os princípios que fizeram as empresas 10X alcançarem o sucesso duradouro no período estudado, mas como fazer isso na prática, em seu empreendimento? Os autores fornecem as seguintes dicas:

 

  1. Faça uma lista dos sucessos que seu empreendimento já conquistou.

  2. Faça uma lista das decepções que seu empreendimento já enfrentou.

  3. Que práticas específicas estão associadas aos sucessos, mas não às decepções?

  4. Que práticas específicas estão associadas às decepções, mas não aos sucessos?

  5. Dentre essas práticas, quais podem perdurar por 10 a 30 anos e ser aplicadas a uma vasta gama de circunstâncias?

 

Com base nessas respostas, formule uma receita EMC, que vai formar um sistema coerente, capaz de turbinar os resultados da sua empresa, mesmo em condições extremas.

 

E aí, gostou?

 

Gostou do livro? Deixe seu feedback nos comentários!

Além disso, para saber mais sobre as ideias dos autores, a versão completa está disponível para compra abaixo:


       

 

Finalmente você terá a oportunidade de estudar com referências em liderança e gestão e fazer parte de uma rede de alta performance para desenvolver habilidades e se preparar para o emprego dos sonhos!

A Voitto Premium é um plano de assinatura criado para quem está em busca de uma solução acessível para se preparar para os desafios do mercado.

No nosso clube de vantagens, os assinantes têm acesso aos cursos, mentorias, VoittoCast, Power Hacks, Let’s Grow, conteúdos exclusivos, além de uma rede de Networking conectada e engajada. Seja Premium! 

 
Nota:
O conteúdo apresentado acima traduz a visão e análise crítica da nossa equipe de redatores, respeitando os fundamentos de propriedade intelectual no Brasil (artigo 8, inciso I).
Nenhuma parte do livro está sendo copiada. São conteúdos únicos e exclusivos, sempre dando créditos aos autores e indicando o link para aquisição da obra completa. A Voitto respeita o código de direitos autorais de acordo com o estabelecido na legislação brasileira, Lei número 9.610/98.
Este conteúdo é de propriedade exclusiva da Voitto e está protegido pela Lei de Direitos Autorais em seus artigos 46, I, (a) e em seu artigo 47, isto porque não se trata de reprodução e também não lhe implicam qualquer descrédito, pelo contrário, o direito moral é protegido e, como ressaltado anteriormente, o leitor recebe um link para adquirir a obra. É proibida a reprodução desse material sem a autorização da empresa.