Em 1979, Michael Porter publicou o artigo "As cinco forças competitivas que moldam a estratégia", na Harvard Business Review. Esse texto destina-se à análise da competição entre empresas, e foi daí que surgiu o modelo das cinco forças de Porter.

Mas você sabe o que são as 5 forças de Porter? Para que servem ou como aplicar? Se respondeu “não” para alguma dessas questões, continue lendo esse artigo para descobrir isso e muito mais.

Ao final deste artigo, vou disponibilizar gratuitamente para você uma planilha que irá te ajudar a identificar as forças mais impactantes na sua empresa. Não perca essa oportunidade.

 

Faça junto com a gente!

 

Para você poder acompanhar este artigo de forma dinâmica, não deixe de baixar a planilha. Basta clicar no botão abaixo:

 

 

O que são as 5 forças de Porter?

 

Forças de Porter é um modelo que tem como principal finalidade relacionar a empresa ao seu meio, analisando seu ambiente interno e externo através de cinco critérios: Fornecedores, Entrantes potenciais, Compradores (Clientes), Produtos/Serviços substitutos e Concorrentes.

Para entender melhor a aplicação desse modelo, é necessário conhecer e avaliar cada uma das 5 Forças de Porter, para que assim, possamos interpretar e analisar com mais critério cada característica a ser avaliada da empresa.

 

As 5 Forças de Porter

 

Irei detalhar cada uma das cinco forças e suas principais determinantes de avaliação, confira!

 

1ª força de Porter: Ameaça de novos entrantes

 

Os novos entrantes, ou novos concorrentes, oferecem ameaça à estratégia empresarial da organização, uma vez que podem inserir no mercado novos produtos ou produtos diferenciados e podem competir com políticas difíceis de serem acompanhadas como preço baixo, por exemplo, visto que querem ganhar espaço no mercado.

As empresas que entram no mercado encontram barreiras de entrada, podendo ser, por exemplo, grau de investimento, políticas de governo, imagem da marca, aceitação do produto, dentre outros fatores.

 

2ª força de Porter: Poder de negociação dos clientes

 

O poder de negociação dos clientes nada mais é do que o poder de barganha dos clientes e pode ser observado quando forçam o preço dos produtos/serviços para baixo, quando exigem melhoria de qualidade ou quando forçam um aumento na competição entre as empresas.

Os principais fatores que potencializam a influência dos clientes podem ser, por exemplo, conhecimento do mercado e das empresas, estipularem quantidade e frequência de consumo e ameaça de produtos substitutos.

 

3ª força de Porter: Poder de negociação dos fornecedores

 

Assim como na força anterior, o poder de negociação dos fornecedores também pode ser sintetizado como o poder de barganha dos fornecedores.

Um alto poder de negociação dos fornecedores é prejudicial à rentabilidade da empresa, uma vez que estes podem variar os preços dos produtos/serviços fornecidos e a empresa pode não ser capaz de repassar estes preços ao consumidor.

Os fornecedores podem exercer grande influência nas empresas, se este possuir um produto/serviço diferenciado e altamente importante para o funcionamento do negócio.

O poder de negociação dos fornecedores também é elevado se seu produto for único ou o mercado possuir poucos fornecedores que o produzem.

É importante ressaltar que o custo de mudar de fornecedor costuma ser bem alto.

 

4ª força de Porter: Ameaça de produtos/serviços substitutos

 

Produtos ou serviços novos no mercado que possuem função similar ou equivalente ao produto/serviço de sua empresa ou que possam substituir seus produtos são uma ameaça à sua empresa.

Fatores que potencializam esta ameaça são, por exemplo, a relação preço/rendimento deste produto, as chances do cliente alterar suas preferências e baixa capacidade de sua empresa acompanhar o desenvolvimento no setor.

 

5ª força de Porter: Rivalidade entre concorrentes

 

Essa força está ligada à rivalidade entre concorrentes diretos da sua empresa. Esta rivalidade surge quando as empresas competem pelos mesmos clientes e criam formas de agir sobre eles, gerando assim a competição.

Essa rivalidade é intensificada principalmente quando há um número reduzido de clientes, crescimento baixo do setor ou grande número de concorrentes que entram no mercado, por exemplo.

Assim como prometido, vou estar disponibilizando uma planilha que tem como objetivo auxiliar o usuário a realizar análises baseadas na metodologia de Porter, utilizando um formato simples e direto, com critérios para mensurar, quantitativamente, os resultados obtidos por análises em cada uma das 5 forças de Porter.

 

Veja na vídeo-aula abaixo o funcionamento da planilha

 

 

Entenda a Ferramenta abaixo

 

A página inicial possui a estrutura mostrada abaixo. Utilize os botões para navegar entre as abas, bastando apenas clicar nos botões que lhe direcionam para a respectiva aba.

 

 

Ao clicar nas setas localizadas no canto superior esquerdo de cada aba retorna-se à página inicial.

 

Preenchendo e atualizando os dados

 

Para cada força de Porter, há uma aba como esta, em que estão descritas algumas questões de avaliação. Neste exemplo, utilizamos a aba correspondente à “Rivalidade entre os Concorrentes”.

 

 

 

Observe que para cada questão determinante, existem outras três colunas, “avaliação”, “inverte” e “nota”. Sendo que esta última não deve ser preenchida pelo usuário, pois é calculada automaticamente.

Na coluna “avaliação”, o usuário avalia a questão correspondente com base nos seus conhecimentos sobre a empresa e o mercado que atua, respondendo de acordo com os critérios estabelecidos. Para cada critério são atribuídas notas que variam de 0 a 5, que podem ser observadas na tabela da direita.

Observe que nesta tabela possuem os nomes de N e S, que correspondem respectivamente a NÃO e SIM. Esta abordagem é utilizada para o preenchimento da coluna “inverte” na primeira tabela, que será explicada com um exemplo a seguir:

Veja que na figura acima a primeira questão “Quantidade de Concorrentes diretos”. É de conhecimento que uma quantidade alta de concorrentes diretos é ruim para a empresa e se sua empresa enfrenta este problema o usuário seleciona a opção “MUITO ALTA” (algo ruim), portanto a nota atribuída deve ser a pior possível (no caso é cinco).

Portanto, quando ocorre esta interpretação o usuário deve marcar na coluna “Inverte” a opção S e, caso contrário, a opção N.

Já o valor total representa uma média das notas geradas, que será utilizada para construção do gráfico.

OBS: Os dados apresentados são fictícios e servem apenas para explicar o funcionamento desta planilha.

 

Gráficos e Interpretação

 

O gráfico mostra o resumo das respostas preenchidas em cada critério de análise, conforme representação a seguir.

 

 

Este gráfico mostra uma comparação entre as 5 forças de Porter. Quanto mais próximo do extremo significa que tal critério está mais problemático, comparado com os demais.

Neste exemplo, observa-se que a “Poder de negociação dos clientes” é o maior problema da empresa no momento, enquanto o “Ameaça de novos entrantes” é o critério melhor avaliado e que, por consequência, apresenta menos problemas para a empresa.

É importante observar que esta análise é criada através das classificações feitas pelo usuário para cada uma das 5 Forças de Porter e que pode mudar, na medida em que novas avaliações forem feitas.

Um cenário perfeito seria o gráfico em que todas as 5 forças de Porter se afastam das extremidades. Porém, na prática, isso é impossível de acontecer, pois o mercado é sempre dinâmico e está em constante mudança.

 

Já conhece as principais funções do Excel?

 

Se você está um pouco confuso com algumas funções ou formatações do Excel e deseja aprender o necessário para conseguir utilizar esse software de forma proveitosa, você não pode perder o curso Introdução ao Excel.

E quer saber mais? O curso é totalmente GRATUITO! Isso mesmo, a Voitto disponibiliza para você de graça um curso onde você aprenderá desde formatação de células até um entendimento de tabelas dinâmicas.

Está esperando o que? Não perca tempo e clique na imagem abaixo para começar o curso!