Os indicadores de desempenho empresariais vieram evoluindo ao longo das últimas décadas deixando de atender somente a perspectiva financeira por um motivo principal em particular: revelar de modo quantitativo a eficácia no alcance de metas perante as ações de melhoria implantadas.

Através deles, uma empresa consegue dimensionar a capacidade efetiva de suas ações e decisões, de forma que um valor de referência atual seja conhecido antes de ser executada qualquer estratégia de melhoria.

É com base neste controle inicial que as soluções propostas e efetuadas para o combate de desperdícios e o aumento de desempenho podem ser fielmente avaliadas, revelando com clareza qual o novo índice de melhoria conquistado.

Desta forma, pode existir então a comprovação do progresso de uma área, empresa ou setor ao longo do tempo, onde decisões precipitadas são reveladas e ações eficazes são mensuradas e analisadas.

É somente se baseando em valores de referência de desempenho que uma organização pode comprovar seu sucesso, e estimular cada vez mais sua sustentabilidade no mercado.

Neste artigo, você irá conhecer um indicador de desempenho muito eficiente na hora de avaliar o novo nível de performance alcançado através das ações de solução executadas, irá descobrir como ele pode ser utilizado tanto em processos produtivos quanto em administrativos e de prestação de serviços, além de entender o motivo pelo qual seu nome é atrelado a uma poderosa metodologia organizacional: o Seis Sigma.

 

O que é Seis Sigma?

 

O Seis Sigma é um programa da qualidade que foi desenvolvido na Motorola na década de 80 para aumentar o desempenho de uma companhia e promover a plena satisfação de seus clientes através da redução e controle da variabilidade de seus processos tantos fabris quanto administrativos.

Ele ficou mundialmente conhecido ao final dos anos 2000 com os retornos financeiros na casa de 1,5 bilhão de dólares que a General Electric obteve com sua implantação alguns anos antes. Desde então, deixou de ser usado por restritas empresas ao redor do mundo, e passou a ser implantado em larga escala nos mais diferentes setores empresariais.

 

Por que o nome Seis Sigma?

 

Uma das premissas que originou seu nome é o alcance aparentemente utópico de desempenho de um processo ou produto no nível 6 Sigma.

O termo Sigma, caso não se lembre, é representado pela letra grega  que significa desvio padrão – uma das medidas de variação mais empregadas no ambiente corporativo. Ou seja, quanto maior o nível Sigma menor a variabilidade resultante de seu processo ou produto.

Para exemplificar, uma empresa que tem um processo trabalhando no nível 1 Sigma gera cerca de 700 mil defeitos a cada 1 milhão de oportunidades; uma indústria que tem um processo operando no nível 2 Sigma cerca de 300 mil defeitos; e uma companhia que tem um processo nível 6 Sigma apenas 3,4 defeitos a cada 1 milhão de oportunidades.

Compreendeu agora a razão de seu nome? Então, é para alcançar este novo desempenho que existe o programa da qualidade Seis Sigma, que por meio de sua robusta estrutura organizacional, de seu método DMAIC e de suas inúmeras ferramentas disponíveis torna possível atingir um rendimento aparentemente inimaginável.

 

Como calcular e identificar o nível Sigma de um processo?

 

Antes de te explicar como calcular o nível Sigma de um processo, deixe-me ponderar algumas observações:

  • A avaliação do nível Sigma pode ser realizada tanto para processos de bens quanto de serviços, já que a definição de produto vai além de algo físico, e pode ser considerado também como um serviço.

  • A distribuição normal clássica – em formato de sino – é representada por 3 desvios padrão pra cada lado da média, você se lembra?
    Então, este comportamento dos dados gerados no processo é representado pelo percentual de 99,73% de conformidade, enquanto que para um processo nível 6 Sigma o percentual é de 99,9997%.

  • Dizemos que um processo tem qualidade 6 Sigma quando da média ao seu limite de especificação mais próximo – superior ou inferior – cabem exatos 6 desvios padrão. Quanto mais desvios padrão couberem da média ao limite de tolerância estipulado, maior a qualidade do processo – podendo inclusive ultrapassar o resultado de 6 Sigma.

  • A métrica Sigma compreende defeitos e não produtos defeituosos. Isto é, um ou mais defeitos representam um produto defeituoso, mas um ou mais produtos defeituosos não podem representar mais que um defeito.

 

Agora sim, vamos aos 4 passos para chegar ao valor Sigma!

 

1. Levante o número de oportunidades (NO) de defeito por unidade

 

Como escrevi acima, unidade pode ser entendida como um produto ou serviço. A tarefa aqui é discutir e definir a quantidade de possíveis defeitos por unidade sob o ponto de vista do cliente.

Digamos que uma empresa comercializa chicletes de menta, e que seus clientes costumam avaliar o gosto da mistura química processada, o tamanho do chiclete e a qualidade da embalagem, mas que não ligam para a cor do produto. Neste caso, o NO possui valor 3 e não 4.
 

2. Colete amostras do processo e conte o número total de defeitos (ND) encontrados

 

Quanto mais abrangente for o plano de coleta de dados incluindo um maior o número de amostras coletadas, melhor é a confiabilidade posterior do indicador DPMO e do nível Sigma.

Enquanto ND é a sigla correspondente ao número de defeitos encontrados na amostra, NU corresponde ao número de unidades produzidas coletadas conforme amostra.
 

3. Calcule a quantidade de defeitos a cada milhão de oportunidades (DPMO)
 

O indicador de DPMO é resultante da divisão do ND multiplicado por 10 elevado a sexta pela NO multiplicado por NU.

Calculado o valor de DPMO, resta convertê-lo de acordo com a tabela Seis Sigma. E para ficar claro neste passo e não restar dúvidas, a fórmula é a seguinte: DPMO = ND x 106 / NO x NU. 


4. Converta DPMO em nível Sigma
 

Sigma

DPMO

%

Sigma

DPMO

%

Sigma

DPMO

%

1,0

691.462

69,1%

2,0

308.770

30,9%

3,0

66.811

6,68%

1,1

660.083

66,0%

2,1

274.412

27,4%

3,1

54.801

5,48%

1,2

621.378

62,1%

2,2

242.071

24,2%

3,2

44.567

4,46%

1,3

581.815

58,2%

2,3

211.928

21,2%

3,3

35.931

3,59%

1,4

541.694

54,2%

2,4

184.108

18,4%

3,4

28.717

2,87%

1,5

501.350

50,1%

2,5

158.687

15,9%

3,5

22.750

2,28%

1,6

461.140

46,1%

2,6

135.687

13,6%

3,6

17.865

1,79%

1,7

421.428

42,1%

2,7

115.083

11,5%

3,7

13.904

1,39%

1,8

382.572

38,3%

2,8

96.809

9,7%

3,8

10.724

1,07%

1,9

344.915

34,5%

2,9

80.762

8,08%

3,9

8.198

0,82%

4,0

6.210

0,62%

5,0

233

0,023%

6,0

3

0,000%

4,1

4.661

0,466%

5,1

159

0,016%

 

 

 

4,2

3.467

0,347%

5,2

108

0,011%

 

 

 

4,3

2.555

0,256%

5,3

72

0,007%

 

 

 

4,4

1.866

0,187%

5,4

48

0,005%

 

 

 

4,5

1.350

0,135%

5,5

32

0,003%

 

 

 

4,6

968

0,097%

5,6

21

0,002%

 

 

 

4,7

687

0,069%

5,7

13

0,001%

 

 

 

4,8

483

0,048%

5,8

9

0,001%

 

 

 

4,9

337

0,034%

5,9

5

0,001%

 

 

 

 

 

Quer saber mais sobre o Seis Sigma?
 

E aí, se impressionou com a capacidade que o programa Seis Sigma tem para alavancar o desempenho de uma organização?

Que tal você mesmo já começar então a se especializar nesta inovadora metodologia da qualidade tida como a principal ferramenta empresarial do século XXI?

Pra te auxiliar neste caso, a Voitto conta com a formação totalmente gratuita e online de White Belt em Lean Seis Sigma.

É só por meio da capacitação de seus colaboradores que uma empresa consegue estruturar o Seis Sigma e suas ferramentas em seus processos produtivos e administrativos.