A fase de controle do método DMAIC tem como objetivo monitorar os resultados alcançados após a implementação das melhorias, estabelecer controles que garantam a sustentabilidade dos resultados, definir o “dono do processo” e como esse processo será monitorado no dia a dia.

O tempo estimado para essa etapa do projeto Lean Seis Sigma é de aproximadamente 2 a 4 semanas. E suas principais ferramentas são: Cartas de Controle, OCAP, Procedimento Operacional Padrão e Poka Yoke.

Mas você sabe o que é uma Carta de Controle Estatístico de Processo? Ou o que é CEP nesse contexto? Sabe também para que serve e como fazê-lo? Se respondeu não para alguma dessas perguntas, continue lendo esse post e descubra.

 

O que é Controle estatístico de Processo?

 

Controle estatístico de processo, também conhecido como CEP, é uma ferramenta da qualidade que pode ser definida como um método de prevenção e detecção de defeitos/problemas nos processos avaliados.

Foi desenvolvido por Walter Shewhart no início do século XX e difundido pelo mundo a partir dos anos 60 por Edwards Deming com a aplicação no ciclo PDCA.

O CEP é um estudo que tem como objetivo monitorar um produto ou serviço durante seu processo de produção, de forma a identificar as saídas não conformes, para que a causa raiz possa ser eliminada e o processo seja estabilizado, evitando que mais variações ocorram.

Naturalmente todo processo possui pequenas variações e podemos classificá-las em dois grupos:

Causas de variações comuns: São variações aleatórias e inevitáveis que ocorrem dentro de certos limites, sem uma causa sistemática que possa ser eliminada.

Causas de variações especiais: Ocorre quando o processo apresenta desvios sistemáticos ou variações fora dos seus limites, como consequência de motivos claramente identificáveis dentro do processo e que podem ser eliminadas.

 

Qual a importância do controle estatístico de processo?

 

Por que controlar um processo? A resposta para essa pergunta se dá com uma outra pergunta: O que pode ser dito sobre um processo instável? Muito pouco! E é por isso que devemos controlar os processos.

Se existem causas especiais de variação, a saída do processo não é estável e também não é previsível com o decorrer do tempo. Sendo assim, não temos como saber o que acontecerá amanhã, por exemplo. Dessa forma teremos gráficos de controle da seguinte maneira.

 

 

Se apenas as causas comuns de variação estão presentes, a saída de um processo forma uma distribuição que é estável e previsível com o decorrer do tempo. Gerando assim gráficos com o seguinte aspecto.

 

 

O controle ajuda a manter as melhorias conquistadas, e estabelece um novo patamar para as melhores práticas.

 

 

Sem controle, dificilmente se manterá algum patamar alcançado, e dessa forma o esforço nas fases anteriores do método DMAIC seriam em vão.

 

Como fazer um controle estatístico de processo?

 

O acompanhamento e controle do processo pode ser feito de várias formas:

 

  • Auditorias;
  • Acompanhar o comportamento do processo com ferramentas estatísticas;
  • Criar dispositivos à prova de erro e acompanhar seu desempenho;
  • Acompanhamento através de gráficos de controle;
  • Formalizar um processo junto ao sistema de gestão da rotina;
  • Mapeamento e digitalização do processo (BPMs).

 

Neste artigo darei ênfase aos gráficos de controle. Mas e aí? Como fazer? Para ajudar na sua compreensão separei alguns pontos de atenção que podem te nortear. Confira!

Primeiramente, deve-se determinar a ferramenta para a coleta de dados, já que o CEP envolve bastante a análise de dados. Feito isso, é preciso definir a amostra que será analisada e coletar os dados. Uma das ferramentas indicadas para isso é a folha de verificação.

Além disso, analisar a base histórica do processo para verificar como ele se comporta é fundamental para calcular a média e desvio padrão dos dados obtidos e assim determinar o LSC (limite superior de controle) e o LIC (limite inferior de controle).

  • Por meio de uma análise histórica do processo, através do cálculo do desvio padrão e da média.

Ex: LIC = média – 3 x desvio-padrão e LSC = média + 3 x desvio-padrão;

  • Pela verificação de padrões do que é esperado do processo.

Ex: um padrão exigido pela legislação ou imposto pela própria capacidade do processo.

Feito isso, basta esboçar esses limites e entre eles inserir a linha média com os dados analisados. Entenda a seguir como fazer tais análises.

 

Como analisar um controle estatístico de processo?

 

As cartas de controle nada mais são do que um conjunto de pontos (amostras) ordenados no tempo, que são interpretados em função de linhas horizontais, chamadas de LSC (limite superior de controle) e LIC (limite inferior de controle).

 

 

Elas são elaboradas para dados com distribuição normal ou aproximadamente normal. São ferramentas para o monitoramento da variabilidade e avaliação da estabilidade do processo.

Através das Cartas de Controle podemos distinguir a atuação de causas comuns e causas especiais no processo.

Com o processo apresentado nesse exemplo, podemos observar que está sujeito apenas às causas comuns e por isso é considerado estável e previsível. Dizemos que o processo está sob controle estatístico.

A teoria estatística desenvolvida por Shewhart para cálculo dos limites de controle é baseada na ideia da distribuição normal e, sendo o processo estável, os dados da amostra terão probabilidade muito próxima de 100% de estar dentro do intervalo de -3 sigma à +3 sigma a partir da média populacional.

Existem 5 testes que devem ser realizados para constatar que um processo é não conforme. Isso indica uma potencial causa especial atuando no processo e, consequentemente, mostra a necessidade da série de pontos ser investigada. Esses testes são:

 

1. Pontos fora dos Limites de Controle

 

Um ou mais pontos ultrapassam as linhas do LIC ou LSC.

 

 

2. Periodicidade

 

A curva traçada apresenta repetidamente uma tendência para cima e para baixo em intervalos de tempos de amplitude similares.

 

 

3. Sequência

 

Sete ou mais pontos consecutivos aparecem em apenas um dos lados da linha média.

 

 

4. Tendência

 

Sete ou mais pontos consecutivos apresentam um movimento contínuo ascendente ou descendente.

 

 

5. Aproximação do limites de controle

 

Ocorrência de 2 de três pontos consecutivos entre as linhas +2 sigma e +3 sigma ou entre as linhas -2 sigma e -3 sigma.

 

 

Ainda é possível usar o gráfico de controle para diminuir cada vez mais a variação do processo, diminuindo a variação dos limites de controle e analisando as causas das instabilidades.

Pode-se usar ferramentas como diagrama de Ishikawa para encontrar as causas raízes e o 5W2H para elaborar planos de ação.

 

Assista gratuitamente nossa vídeo-aula sobre CEP

 

A fim de maximizar cada vez mais seus conhecimentos, separei uma vídeo-aula a respeito de controle estatístico de processo para você. Não deixe de assistir!

 

 

Saiba mais!

 

Agora que você já sabe o que é, para que serve, como fazer e como analisar um controle estatístico de processos, que tal aprender tudo sobre a fase de controle e todas as outras do método DMAIC?

Não perca essa oportunidade de ampliar seus conhecimentos, além de adquirir um ótimo diferencial para o mercado de trabalho. Se matricule agora mesmo no treinamento de Green Belt em Lean Seis Sigma.