Você sabe quais são os 4 pilares da inteligência emocional?

Bem, para responder a essa pergunta primeiro você deve entender que a inteligência emocional está relacionada com a capacidade de um indivíduo conhecer e dominar as suas emoções. 

De acordo com Salovey e Mayer, psicólogos que aprofundaram seus estudos sobre o assunto em 1990, a inteligência emocional é “a capacidade de perceber e exprimir a emoção, assimilá-la ao pensamento, compreender e raciocinar com ela, e saber regulá-la em si próprio e nos outros”.

Outro nome utilizado como referência sobre o tema inteligência emocional é Daniel Goleman, autor do best-seller Inteligência Emocional, que afirma que 80% do seu sucesso está relacionado com as suas aptidões emocionais.

Ou seja, desenvolver a inteligência emocional é a chave para uma boa qualidade de vida e para isso é importante conhecer os seus pilares. Os pilares emocionais, são quatro:

  • Autoconhecimento;
  • Gestão de emoções;
  • Empatia;
  • Gestão de relacionamentos.

 

Mas afinal, o que são e como trabalhar os quatro pilares da inteligência emocional? É o que vamos aprender neste artigo.

 

O que são os pilares da inteligência emocional?

 

Os pilares da inteligência emocional são as características emocionais que foram agrupadas de modo a facilitar o nosso entendimento sobre o assunto, já que essa é uma habilidade difícil de ser mensurada, visto que não é um fator tangível, mas sim composta por características comportamentais.

Distribuídas pelos quatro pilares que sustentam a inteligência emocional existem 12 competências que podem ser trabalhadas para que o seu quociente emocional (QE), índice que mede a sua inteligência emocional, cada vez mais valorizado no mercado de trabalho, possa aumentar.

Na imagem abaixo você pode conferir como os 4 pilares da inteligência emocional e as 12 competências estão relacionados:


Inteligência emocional e seus pilares

 

Os pilares são interligados e o aperfeiçoamento de cada um deles auxilia no desenvolvimento dos outros.

 

 Os pilares emocionais

 

Agora vamos conhecer os 4 pilares da inteligência emocional e algumas técnicas que podemos utilizar para desenvolvê-los em nosso cotidiano.

 

1. Autoconhecimento

 

O autoconhecimento é o primeiro dos pilares da inteligência emocional, ele está relacionado com a capacidade do indivíduo de entender quem ele é, identificando traços da sua personalidade e como ele reage perante a situações de conflito. 

O processo de autoconhecimento é contínuo e para que melhores resultados sejam atingidos podemos utilizar uma estratégia chamada ativação reticular que nos ajuda a perceber o que precisamos melhorar. Trata-se de uma auto-observação.

Para entender os sentimentos que nos levam a tomar determinadas atitudes podemos utilizar uma estratégia conhecida como ciclo da ação. Mas, o que é isso?

Na imagem abaixo você pode ver uma representação do ciclo da ação, que é único para cada indivíduo.

 

Ciclo da ação

O ciclo da ação nos ajuda a entender que toda observação, ou julgamento que fazemos do outro é o resultado de um repertório, experiência de vida da pessoa, e de convicções que nos levam a executar uma ação.

Para você começar essa jornada de autoconhecimento, separamos um material que vai te ajudar a entender qual é o seu perfil comportamental. O teste disc é uma ferramenta que avalia o seu comportamento em um certo ambiente. Para fazer o teste é só clicar no botão abaixo:

Teste DISC

2. Autogestão

 

O segundo pilar da inteligência emocional, é a autogestão. A partir do momento que tomamos conhecimento a respeito das causas das nossas atitudes podemos gerenciá-las.

O gerenciamento das nossas emoções está relacionado com o autocontrole. Para ilustrar podemos utilizar o exemplo de uma empresa que é gerenciada e administrada pelos próprios colaboradores, neste caso ela é uma empresa autogerenciável. O mesmo ocorre com o indivíduo que conhece e controla as próprias emoções.

Mas, controlar as emoções não está relacionado a nunca explodir, e sim em saber o momento certo para tal atitude e se realmente ela é necessária, como dito por Daniel Goleman:

“Quando eu digo controlar emoções, me refiro às emoções realmente estressantes e incapacitantes. Sentir as emoções é o que torna a nossa vida rica”.

 

3. Empatia

 

Ser uma pessoa empática não é simplesmente se colocar no lugar do outro, vai muito além disso. Empatia, segundo Brené Brown ”É sentir com as pessoas”. Praticar a empatia requer presença e escuta ativa para que assim uma conexão possa ser estabelecida.

Para desenvolver a empatia existem alguns passos que podem ser seguidos, que estão relacionados com técnicas de comunicação não-violenta, são eles:

  • Observação: observar e não interpretar situações. Para ser empático com alguém precisamos ouvir o que o outro tem a dizer com atenção e curiosidade, sem interrupções e julgamentos;
  • Sentimento: é preciso entender que o sentimento é gerado a partir de uma associação mental  de uma emoção, e que ele está baseado nas crenças e memórias de cada um. Quando queremos ser empáticos com alguém é necessário que isso seja analisado;
  • Necessidade: entender a necessidade que causou o sentimento naquela pessoa;
  • Ação/Pedido:  é nessa hora que você faz o pedido que está por trás da necessidade. 

Todos esses conceitos podem ser aplicados em um contexto pessoal ou organizacional, para que um ambiente de trabalho se torne mais positivo.

 

4. Gestão de relacionamentos

 

A gestão de relacionamentos é o pilar emocional que nos ajuda a estabelecer conexões com as pessoas que estão ao nosso redor. Ao desenvolver essa habilidade podemos melhorar os nossos relacionamentos, inspirar e influenciar pessoas, administrar conflitos e trabalhar em equipe.

Mas para isso é necessário o desenvolvimento de uma boa comunicação, sendo ela clara e eficaz.

Para que possamos estabelecer conexões com as pessoas com quem convivemos é necessário ter um mindset de crescimento, é estar disposto a adaptações necessárias quando vivemos novas experiências. Mas, é importante ressaltar que é preciso se auto conhecer e respeitar os seus limites.

As conexões que criamos com as pessoas geram um relacionamento que é baseado em confiança e valores. Quando essa relação ganha valor começamos a ser influenciados por outras pessoas e vice-versa.

 

Como posso fortalecer os meus pilares emocionais?

 

Como você pôde perceber ao decorrer deste artigo, a inteligência emocional pode e deve ser aperfeiçoada, e nesse processo é preciso disposição, paciência e o uso de ferramentas certas para que os seus pilares emocionais sejam fortalecidos.

Para que você possa se aprofundar ainda mais sobre a gestão de relacionamentos você pode realizar o nosso curso gratuito sobre gestão que conflitos.

Com esse curso você será capaz de se comunicar de maneira assertiva, entender os principais conflitos e suas causas, transformar conflitos negativos em positivos, além de outros conceitos relacionados com liderança. Clique no botão abaixo e comece a se capacitar!

Curso de gestão de conflitos