Para muitos o caminho educacional alternativo pode ser uma fantasia, um sonho bem distante ou até mesmo algo impossível de ser realizado e vivenciado.

Mas para Ron Ferguson e Bill Symonds, dois analistas da Harvard, isso não somente é possível como é algo que mudaria a vida de muitos jovens diante do mercado de trabalho.

Para despertar essa ideia, os analistas juntamente com:

 

  • Robert Schwartz: reitor acadêmico da Harvard Graduate School of Education;

  • Stanley Litow: vice-Presidente da IBM;

  • Robert Templin:  Presidente da Northern Virginia Community College;

  • Andres Alonso: CEO, Escolas Públicas de Baltimore City.

 

Desenvolveram um relatório que ficou conhecido como “Novos caminhos para o sucesso”,  em que falam sobre a possibilidade das escolas secundárias fornecerem alternativas que preparem os alunos para a entrada no mercado de trabalho.

O relatório “Novos caminhos para o sucesso” desfaz a mentalidade de que o diploma universitário é o único caminho para o sucesso, para a estabilidade econômica e para uma carreira bem sucedida.

Segundo Katie Koch, redatora de Harvard, apenas 3 em cada 10 jovens recebem um diploma universitário por volta dos 20 anos, enquanto mais de 40% nunca chegaram a frequentar uma faculdade, e é por esse motivo que Ron e Bill trouxeram essa questão em discussão no relatório.

Como vimos, Grandes líderes da educação foram autores do relatório “Novos Caminhos para o Sucesso”, isso sem dúvida é algo inspirador, não é mesmo?

Para te inspirar ainda mais, preparamos um ebook GRATUITO  em que você aprenderá as 5 práticas exemplares de liderança. Tenho certeza que esse conteúdo será muito agregador na sua carreira e na sua vida. Clique para baixar agora!

 

 

Continue lendo este artigo para descobrir o que é abordado no relatório “Novos Caminhos para o Sucesso” com maiores detalhes.

 

“A metade esquecida”

 

 

Em 1988, a Fundação William T. Grant publicou um relatório em que denominou os 20 milhões de jovens não vinculados  à faculdade como "A metade esquecida", e avisou que eles estavam em perigo, pois podiam ter sua participação negada no mercado de trabalho.

Uma década depois, o Fórum Americano de Política de Juventude lançou “The Forgotten Half Revisited”, e concluiu que estes jovens mal equipados perderam um espaço considerável na competição por uma oportunidade de trabalho.

Desde então, muitos outros relatórios como o “Novos Caminhos para o Sucesso” têm surgido trazendo pontos semelhantes para discussão e análise.

No entanto, ainda não  foram tomadas medidas eficazes. Enquanto isso, o desafio torna-se cada vez mais urgente.

Como disse George R. Boggs, Presidente e CEO da Associação Americana de Faculdades Comunitárias, “ nós não podemos deixar ninguém para trás.”

 

O mercado de trabalho

 

 

O mercado de trabalho tem se expandido conforme o avanço das tecnologias e inovações.  Com isso, os empregadores estão altamente motivados para descobrir como obter a força de trabalho de que precisam.

Porém, um grande desafio tem sido achar a mão de obra qualificada necessária para a realização de cada tarefa.

Em contrapartida,  os jovens têm se deparado com a dificuldade de adquirir uma experiência de trabalho significativa e a qualificação adequada.

Segundo Katie Koch, a porcentagem de americanos com menos de 25 anos que  tem empregos está no nível mais baixo desde a Grande Depressão, também conhecida como Crise de 1929.

A proposta do relatório “Novos Caminhos para o Sucesso” é que os estudantes se beneficiem mais dos treinamentos vocacionais como parte do dia típico escolar, para aprender as habilidades profissionais de que precisam.

 

Qual o novo caminho para o sucesso?

 

O novo sistema proposto é um desenvolvimento de múltiplos caminhos do ensino médio ao ensino pós-secundário ou à formação profissional, oferecendo programas vocacionais robustos e de treinamento técnico ao lado de escolas preparatórias para faculdades tradicionais.

Assim como as escolas secundárias encorajam os estudantes a considerar a faculdade, os autores do relatório “Novos Caminhos para o  Sucesso” sugerem que os estudantes sejam encorajados também a ingressarem em estágios e programas de certificação que possam ensinar as habilidades profissionais necessárias.

Symonds traz exemplos de estudantes que frequentam escolas profissionalizantes onde estão tendo resultados melhores e se formando em uma taxa mais alta do que outros estudantes de escolas tradicionais do ensino médio.

Essas escolas funcionam porque não as criamos como a segunda melhor opção. Algumas dessas escolas têm listas de espera”, disse Symonds.

 

Europa x América

 

A Europa  há muitos anos já faz da formação profissional uma opção para os estudantes do ensino médio.

As nações  europeias estão superando a América nos testes padronizados internacionais, e as taxas de emprego para os jovens são mais altas.

Nos países do norte da Europa, Schwartz disse que 40 a 70 por cento dos estudantes optam pela educação profissional em um currículo de preparação para a faculdade. Mesmo na Finlândia, um país menos estratificado socialmente, 43% dos estudantes optam pelo treinamento vocacional.

 

Quais têm sido os resultados deste relatório?

 

Ferguson conta que os primeiros e-mails recebidos relacionados ao relatório “Novos Caminhos para o Sucesso” foram negativos, de pessoas acusando-os de tentar negar a faculdade a estudantes desfavorecidos.

Em contrapartida houve pessoas que realmente agradeceram por levantar essa questão.

Como resultado, Symonds recebeu convites de 18 estados para tratar de distritos escolares locais, presidentes de faculdades comunitárias, legislaturas estaduais e outros grupos, de lugares tão distantes quanto o Alasca e o Havaí.

Além de tudo isso, o relatório “Novos Caminhos para o Sucesso”, quando foi publicado, chamou atenção até mesmo da Casa Branca, pois o ex-presidente Obama se interessava pelo assunto, visto que ele aprimorava as faculdades comunitárias, onde era fornecido a maior parte do treinamento técnico dos Estados Unidos, e isso era um dos pilares da sua política de ensino superior.

Isso nos mostra como o governo tinha consciência da importância da carreira e da educação técnica no ensino médio, com o foco em preparar os estudantes para empregos.

Arne Duncan , secretário de Educação de Obama, classificou o relatório “Novos Caminhos para o Sucesso” como "absolutamente urgente", e o Conselho da Casa Branca para Soluções Comunitárias solicitou uma coletiva sobre "Pathways".

 

Dica Bônus

 

Como vimos neste artigo, os analistas da universidade de Harvard juntamente com outros participantes, trouxeram o problema da falta de qualificação no ensino médio em questão no relatório “Novos Caminhos para o Sucesso”.

Esse é um problema que pode ter algumas diferentes soluções, como o despertar do governo, conforme o exemplo dos Estados Unidos, citado anteriormente, ou o despertar do próprio aluno para buscar a qualificação ideal.

Para te ajudar nessa qualificação para o mercado de trabalho, a Voitto preparou para você o clube VIP de assinatura, no qual você terá acesso a conteúdos exclusivos, como: cursos, materiais educativos, mentorias, Voitto Casts e muito mais. Venha ser Premium!

 

 

Se você gostou desse artigo, deixe seu feedback abaixo e, além disso, compartilhe esse post com algum amigo.

Fique ligado no nosso blog, pois produzimos conteúdos novos diariamente. Até mais!