Conhece alguma pessoa que não goste de ter seus desejos atendidos na hora? Eu não conheço. E atender pedidos exatamente no momento que são feitos é a premissa básica do Just In Time!

Sem você perceber, muitas empresas que estão no seu dia-a-dia, seja do ramo alimentício, de vestuário, ou de qualquer outro, já adotaram esse famoso tipo de produção.

Então o que é esse método? como surgiu? quais as características de um sistema Just In Time? Para ter todas suas dúvidas respondidas, basta ler esse artigo até o final!

 

Como surgiu o sistema Just In Time?

 

Apesar de ter um nome em inglês, o Just in Time (JIT), surgiu em terras japonesas, no princípio dos anos 50, depois dos estragos causados pela 2ª Guerra Mundial.

Com essa destruição, o país precisava se reformular por completo, desde as necessidades mais básicas, como alimentação e moradia, como também no setor automobilístico.

Mas qual era o sistema de produção de automóveis vigente até então? Era o Fordismo, a produção “em massa”. Ele se caracterizava principalmente por um alto volume de produção, alto nível de estoques, e pouca variedade de produtos.

E é aí que a Toyota Motor Company entrou em ação! Ela implementou um modelo de produção que ia na contramão do que o Fordismo pregava. Um modelo que pôde coordenar a produção de acordo com necessidade específica do cliente, ou seja, produzir somente o que o cliente deseja, no momento certo e na hora certa!

Ah legal, mas quais foram os diferenciais desse sistema? Com o pensamento de produzir apenas o que o cliente solicitava e no tempo certo, esse sistema reduziu o nível de estoque para o mínimo, conseguindo uma maior diversificação dos produtos.

Esse revolucionário sistema de produção começou, ao longo dos anos, a ser incorporado nas outras fabricantes japonesas, e trouxe significativos resultados para as mesmas. E não parou por aí....

Depois desse sucesso, as empresas europeias e estadunidenses resolveram de forma gradativa implementar essa filosofia. Com isso, o Just in Time conseguiu atingir os 4 cantos do mundo.  

 

O que é Just In Time?

 

O Just in Time é um método de reorganização para alavancar o sistema produtivo e eliminar os desperdícios. Ele tem como objetivo reduzir os custos por meio de fornecimento e de produção dos materiais na quantidade e locais corretos, além de ser na hora que o cliente necessita.

Com esse objetivo, a empresa passa a usar de forma mais enxuta possível os equipamentos, materiais, instalações e também o recurso humano.

É importante ressaltar que para caracterizar como um modelo JIT, é preciso que se utilize o mínimo da mão-de-obra, equipamentos e matérias-primas. O Kanban é a ferramenta mais adequada para “puxar a produção” a partir da procura do cliente.

Mas o que é isso? É o nome dado aos coloridos cartões que são utilizados para autorizar a produção e a movimentação de todos materiais durante o processo de produção.  

 

Existe alguma empresa que seja 100% Just in Time?

 

Você provavelmente deve achar que a resposta dessa pergunta seja positiva. Deve pensar que a Toyota – precursora desse sistema – seja 100% Just in Time. Porém, você está errado.

Ela é a mais que se aproxima desse modelo, mas não chega a sua totalidade. Com isso, o gabarito dessa pergunta é: não! Não existe nenhuma empresa que sua produção seja totalmente voltada a esse sistema de produção.

Mas você ainda pode me perguntar: “E os fast-foods? Eles não entregam o que o cliente, na quantidade e na hora que ele deseja? ” Sim. Você tem razão. Elas são JIT, porém não são por completo.

Os fast-foods vão muito além disso, você tem que olhar o sistema como um todo, não só a parte do relacionamento do cliente com o colaborador. Quando se adentra à empresa, pode enxergar que a mão-de-obra está sobrecarregada, os equipamentos estão apertados, o ambiente de trabalho não é muito bom.

Além disso, existe elevado estoque de matéria-prima e produtos semiprontos. Essas características fazem com que os fast-foods não sejam identificados como um sistema totalmente Just in Time.   

 

Quais as características do Just in Time?

 

São muitas as características desse sistema de produção e neste artigo vou listar e explicar 9 delas. Está preparado? Então, vamos lá!   

 

1. Máquinas sequenciadas de acordo com o processo

 

Assim você pode criar na sua empresa um fluxo. Facilita para o movimento dos materiais, otimizando o processo. E se as máquinas não estiverem no fluxo correto?

Terá que “ir e voltar” constantemente, gerando movimentos desnecessários para o processo, e consequentemente, não agregando valor.   

 

2. Equipamentos pequenos e baratos

 

É necessário para o processo máquinas flexíveis, que façam justamente o que você precisa. Não é preciso ter equipamentos com capacidade de produção muito superior do que precisa.

Mas e se a demanda aumentar? Nessa situação é importante fazer uma projeção do quanto vai aumentar, e assim, de acordo com ela, aumentar a quantidade de máquinas e a forma delas produzirem.

Pois se não for feito dessa forma, você irá gastar muito com a manutenção desses equipamentos, gerando custos desnecessários. Afinal, quanto menos gasto, melhor!   

 

3. Fluxo de uma peça só

 

Essa característica é de extrema importância para o sistema Just In Time. Trabalhar com uma peça por vez gera um trabalho mais específico. Isso gera alguns benefícios, mas o principal deles é: não criar lotes intermediários no processo produtivo.

Eliminando um dos desperdícios, melhorando processo como um todo, e agregando valor.   

 

4. Célula em “U”; sentido anti-horário

 

Como assim célula em “U”? Fazer com que o layout das máquinas do processo seja em forma da letra “U”.  Pois assim as extremidades das linhas estão mais perto uma da outra.

O benefício de se fazer isso é gerar uma comunicação muito mais próxima entre os colaboradores, podendo se ajudar e compartilhar as atividades. E por que tem que ser no sentido anti-horário?

A resposta é mais simples do que você imagina! A maioria dos colaboradores são destros, com isso, fica mais fácil para trabalhar, o que contribui para um trabalho mais rápido e contínuo.   

 

5. Operadores multifuncionais

 

São chamados de colaboradores “camaleões”, ou seja, se adaptam a qualquer ambiente. Isso é muito importante, pois para que, justamente dentro de uma célula, eles possam trocar de postos de trabalho.

Caso algum operador não possa ir trabalhar, é possível substituí-lo, sem perdas muito drásticas, e não comprometendo o processo como um todo   

 

6. Trabalhadores em pé, movendo enquanto trabalham

 

Trabalhar sentado é muito mais confortável, eu sei. Mas isso no futuro pode ser muito prejudicial para a saúde, gerando danos à coluna.

Assim, você consegue melhorar o ambiente de trabalho, melhorando o processo, os postos, e claro, a ergonomia do colaborador.   

 

7. Operações ergonomicamente corretas

 

Essa característica basicamente está dentro da anterior. Ela visa tirar as cadeiras, elevar o nível das mesas na altura dos trabalhadores, para que eles possam trabalhar de forma correta.

Ninguém merece ficar com dor, não é mesmo? Pois isso tem que ter essas mudanças nos ambientes de produção, para evitar esses problemas com a saúde.   

 

8. Produção do sentido de Tempo Takt

 

Não, não estou falando grego. Na verdade, estou falando alemão. Takt significa ritmo. Com isso, é importante para o processo trabalhar em ritmo, de forma constante. Ou seja, não pode haver interrupções durante a produção.

Para controlar você ver se realmente está trabalhando em ritmo, de forma correta e atendo as necessidades do seu cliente, você pode criar uma tabela visual, chamada “tabela hora-hora”.

Assim pode ver quantas peças produziu durante uma hora e se conseguiu produzir aquilo que foi estipulado previamente.   

 

9. Operações Standard: definidas e implementadas

 

Chegamos na última característica. Ela tem como propósito de que cada trabalhador tem que executar os seus trabalhos de uma forma padrão, já estabelecida. Todos eles são previamente treinados para fazer de acordo com esse processo padrão.

Com todos seguindo de forma harmoniosa esse processo padrão, as atividades serão realizadas com uma maior rapidez e também com uma qualidade superior. Caso queira saber mais sobre essas importantíssimas caraterísticas, te convido a assistir esse curto vídeo.

Nele, o renomado consultor Júlio Briales, fala sobre cada uma delas, e como que funcionam na prática.   

 

 

"Em toda crise existe uma oportunidade!"

 

A história do sistema de produção Just in Time mostra fielmente a veracidade desse ditado. Depois de um acontecimento trágico, que marcou a história do mundo, o Japão conseguiu se reerguer de forma meteórica.

Essa reestruturação se deu com a mudança do processo de produção, e, esse mesmo processo, melhorou o sistema de produção de diversas empresas do país, além de se disseminar para o mundo.

E isso gerou bastante frutos tanto para Toyota, como para as outras empresas.   

 

E aí, pronto para adotar o Just In Time?

 

Como você pôde ver, existem inúmeras vantagens ao se aplicar esse sistema de produção. E ficou faltando uma vantagem para te contar: ele pode ser aplicado em qualquer processo dentro de uma organização.

Então lá vai uma dica: que tal fazer o curso gratuito de Introdução ao Lean Manufacturing disponível em nossa plataforma online? Tenho certeza absoluta que não irá se arrepender.

Neste curso, você verá mais sobre o Just in Time, mas não é só isso! Conhecerá mais a fundo sobre o Lean Manufacturing e sobre todas as suas ferramentas. Não vai deixar passar essa oportunidade, hein?!