Sabe aqueles momentos imprevistos que você sempre pensa: por que não guardei dinheiro? Eles podem ser facilmente superados quando as pessoas compõem a reserva de emergência. 

É fato que ninguém consegue prever o que acontecerá, mas se preparar é a melhor maneira de evitar o desespero e até mesmo soluções ruins, como empréstimos com altas taxas de juros e condições abusivas.

Se quer aprender como e o porquê deve começar agora a montar a sua reserva de emergência, confira este artigo até o final e confira:

  • O que é e para que serve uma reserva de emergência?;

  • Por que ter uma reserva de emergência?;

  • Qual o valor ideal para a reserva de emergência?; 

  • Quando utilizar a reserva de emergência?;

  • Qual o melhor investimento para a reserva de emergência?; 

  • 5 dicas para criar uma reserva de emergência.

 

O que é e para que serve uma reserva de emergência? 

 

A reserva de emergência é um capital aplicado com alta liquidez. Isso significa que a qualquer momento é fundamental que ele possa ser resgatado e utilizado. Por isso, é ideal para situações de imprevistos. 

Seja um problema de saúde, uma reforma urgente na casa, o carro quebrado ou até mesmo a demissão do emprego. 

Esse mecanismo financeiro serve justamente para que nesses momentos você tenha uma reserva que cubra esses gastos e não precise entrar em desespero. Afinal, nada é melhor do que se preocupar com o essencial e ter tranquilidade com as finanças pessoais nessas situações.

 

Por que ter uma reserva de emergência?

 

Ter uma reserva de emergência pode significar mais qualidade de vida, menos preocupações e até mesmo mais chances de poder arriscar trocando de profissão, por exemplo. 

Por meio dela, é possível se programar para realizar sonhos e também se prevenir para aqueles momentos inesperados. Confira quais as principais vantagens de se ter uma reserva de emergência: 

  • Não tomar decisões ruins em casos inesperados, como aderir empréstimos com juros abusivos;

  • Sobreviver às crises de forma mais tranquila, garantindo ao menos as necessidades básicas; 

  • Possuir tempo para se reestabelecer no mercado, em caso de perda de emprego;

  • Poder se preocupar com outras questões e não a parte financeira em momentos difíceis como problemas de saúde. 

  • Caso esteja infeliz no trabalho, a reserva de emergência garante que você possa optar e se arriscando buscando um novo emprego ou empreendendo. 

Se você está se perguntando qual o valor ideal para a sua reserva de emergência, confira o tópico abaixo. 

 

Qual o valor ideal para a reserva de emergência? 

 

A divergência de opiniões quando o assunto é o valor ideal da reserva de emergência está justamente no fato de que deve se levar em consideração o nível de segurança que uma pessoa deseja ter. 

Porém, há consenso de que ela deve representar o valor total dos gastos de uma pessoa ou família por no mínimo de 6 meses a 12 meses. Esse é considerado um tempo suficiente para que tudo volte ao normal depois de um imprevisto. 

No entanto, há que prefira uma segurança maior. Para essas pessoas é possível juntar um valor referente ao custo de vida de um a dois anos. 

Além disso, para quem possui pessoas idosas em casa ou com problemas de saúde frequentes, é comum a necessidade de um maior valor na reserva de emergência. 

Nesse caso, pode-se dizer que não há um limite máximo para esse investimento, desde que seja maior que seis mese do custo de vida. 

Mas uma dúvida frequente é: depois de constituir minha reserva de emergência, quando devo usá-la? Para saber mais, leia o próximo tópico.

 

Quando utilizar a reserva de emergência? 

 

A reserva de emergência, como o próprio nome já diz, é ideal para ser utilizada em situações que as pessoas não conseguem prever. Por isso, não deve ser destinada para o pagamento de uma conta mensal, por exemplo. 

Essa reserva financeira é ideal para garantir o padrão de vida em épocas de incerteza. Um exemplo claro de situação que ela pode ser usada é a pandemia do Covid-19

Muitas pessoas perderam empregos ou tiveram salários reduzidos, destinar esse dinheiro para manter as contas em dia e garantir qualidade de vida é o ideal.

Imprevistos com saúde, reformas urgentes na casa, acidentes de carro e problemas com computador e celular, são exemplos de outras situações que podem ser ideias para o uso da reserva de emergência. 

Vale ressaltar que uma promoção imperdível de roupas ou de passagens áreas não são situações de emergência. Pois esses, são exemplos de momentos em que as pessoas tendem a usar a reserva financeira, mas não devem fazer isso. 

Para saber onde você deve aplicar o dinheiro da reserva de emergência, leia o próximo tópico e entenda todas as melhores opções. 

 

Qual o melhor investimento para a reserva de emergência? 

 

Como você já sabe, é fundamental que o dinheiro da reserva de emergência esteja disponível a qualquer momento que o seu gasto seja necessário. Esse é o principal pilar na escolha de um bom investimento para aplicação desse recurso. 

Por isso, confira onde investir e quais são as melhores opções existentes no mercado financeiro para garantir liquidez e também rentabilidade para que o seu dinheiro não perca poder de compra pela inflação ao longo do tempo.

 

Tesouro Selic

O Tesouro Selic é um dos tipos de investimento do Tesouro Direto. Por meio dele, você empresta dinheiro para o Governo Federal. Por ser o agente econômico mais consolidado, esse tipo de aplicação financeira tem baixíssimo risco. 

Além disso, diferente dos demais títulos públicos, o Tesouro Selic rende diariamente conforme a Taxa Selic. 

Isso significa que você terá alta previsibilidade do quanto ele rende e não contará com imprevistos de ter que resgatar a aplicação com valores mais baixos do que ela vale.

 

Certificados de Depósito Interbancários (CDBs)

Outra opção para o investimento do valor reservado para casos de emergências são os CDBs. Mas é importante ressaltar que você deve escolher uma opção com liquidez diária, ou seja, que possa ser resgatada a qualquer momento. 

Nesses produtos financeiros, o investidor empresta dinheiro aos bancos, no entanto também há baixíssimo risco. Isso acontece pois possui garantia do Fundo Garantidor de Crédito (FGC). 

Se o banco não puder quitar a dívida, o FGC garante o seu recebimento em até 250 mil reais por CPF por instituição financeira. 

Além disso, essa é uma opção em geral mais rentável que o Tesouro Selic. No entanto, nem sempre é a mais aconselhável. Vale ressaltar que é necessário avaliar toda a descrição do investimento antes de escolher a melhor opção.

 

Fundos de Investimento em Renda Fixa

Outra boa opção para aplicar o dinheiro da reserva de emergência são os Fundos de Investimento em Renda Fixa. Mais uma vez é importante lembrar que você deve verificar se o produto financeiro possui liquidez diária.

Uma das principais vantagens desta aplicação financeira é o fato de que ela diversifica o seu capital em diversos outros produtos. 

No entanto, é comum que haja a cobrança de taxas de administração. Isso pode comprometer o rendimento e deve ser bem avaliado para ver se mesmo assim continua sendo a melhor opção. 

 

Agora que você já sabe tudo sobre a reserva de emergência e o quanto investir é essencial para que ela não perca valor ao longo do tempo, saiba como criar a sua reserva financeira. 

 

5 dicas para criar uma reserva de emergência

 

Agora é o momento de colocar em prática todos conceitos aprendidos até aqui. Para te ajudar, separamos 5 dicas para que você consiga criar uma reserva de emergência e garantir que estará preparado para momentos de imprevistos.

 

1. Planejamento Financeiro

O planejamento financeiro pessoal é o primeiro passo para constituir uma reserva de emergência. Afinal, você precisa saber quais são seus gastos mensais para entender qual o valor que deve guardar. 

Para isso, anote, durante três meses, todos os gastos fixos e variáveis. Desde o café na padaria até as contas de água e luz. Isso te auxiliará no processo de cálculo do valor da sua reserva financeira.

 

2. Investir em Educação Financeira

A educação financeira pessoal não consiste apenas em saber sobre investimentos e aplicações. Ela também é fundamental para o controle de gastos e consciência de quando o dinheiro da reserva financeira deve ser utilizado. 

Por isso, invista tempo em aprimorar seus conhecimentos e busque fontes que possam te auxiliar no processo de tomada de decisões financeiras mais conscientes. Existem conteúdos gratuitos que podem ser o primeiro passo. 

Confira outros textos sobre finanças no Blog Voitto, como por exemplo o de indicações de podcasts sobre o tema e saiba mais sobre finanças pessoais.

 

3. Não guarde o dinheiro que sobra

Muitas pessoas começam com o pensamento equivocado de que devem guardar o dinheiro que sobre todos os meses. No entanto, o ideal é que o dinheiro para investimentos e principalmente para a reserva de emergência seja uma conta fixa, como aluguel e internet. 

Isso fará com que você assuma um compromisso com a sua qualidade de vida e segurança, guardando efetivamente o que precisa para suprir gastos em situações emergenciais.

 

4. Busque rendas extras

Uma maneira de constituir uma reserva financeira de forma mais rápida é utilizar as rendas extras para esse fim. Caso seja possível, faça horas extras no trabalho, venda algo que saiba fazer ou até mesmo roupas que não usa mais. 

Outra maneira de fazer isso, é através de aluguéis. Seja de imóveis que você possui, aparelhos que não usa com frequência, vagas de garagem ou até mesmo rendimentos que todo mês Fundos Imobiliários pagam aos seus cotistas.  

Destinando todo o valor adquirido através desses mecanismos, você terá segurança de maneira mais rápida.

 

5. Não deixe para depois

Depois de entender o quanto a reserva de emergência proporciona tranquilidade e segurança financeira, é essencial começar a constituir a sua. Por isso, comece hoje mesmo a anotar todos os gastos e despesas, além de todas as receitas do mês, tomando assim o primeiro passo rumo ao seu controle financeiro.

 

Fazendo isso, estará se preparando para que possa, em breve, realizar um bom planejamento financeiro. E para isso, capacite-se com o curso de Gestão Financeira Pessoal!

 

Curso de Gestão Financeira Pessoal

 

Com ele você entenderá diversos conceitos do mundo das finanças, descobrirá como sair das dívidas e estruturar sua vida financeira.