Se a internet é a resposta para muitos dos nossos problemas, a cibersegurança é a pergunta. Com o crescente aumento do número de crimes digitais fica o questionamento: quais são as ameaças para os usuários, empresas e governos?

Estamos cada vez mais conectados e imersos no mundo da tecnologia e, com o aumento do uso de novos produtos e serviços, têm se intensificado as discussões sobre segurança de redes, de dados de usuários e privacidade.

As empresas, hoje em dia, operam com um grande volume de dados, que antes não existiam ou não eram obtidos e armazenados. Para acentuar, ainda entra na conta a grande facilidade de comunicação entre dispositivos que aumenta e muito o volume de transações e também de aberturas a fraudes.

Essa variedade de dispositivos favorece um cenário de ataques cibernéticos de muitos tipos por proporcionar um ambiente atraente e lucrativo para os cibercriminosos.

Então, se você quiser saber sobre a quais ameaças pode estar vulnerável, o modo de se proteger delas e ainda qual a relação entre a segurança da informação e a Indústria 4.0, leia este artigo até o fim. Sem mais enrolação, vamos direto ao ponto.

 

O que é cibersegurança?

 

Cibersegurança é o termo utilizado para denominar procedimentos, práticas e tecnologias que visam a segurança digital contra práticas ilícitas e danos aos computadores, redes, programas e dados.

Os perigos e prejuízos que a internet pode causar têm intensificado os debates sobre cibersegurança de usuários de todo o mundo, pois cada vez mais empresas, indústrias e os governos utilizam sistemas digitais conectados e isso favorece um cenário de ataques por parte dos cibercriminosos.

Agora imagine a seguinte situação: quais seriam as consequências se uma dessas redes fossem invadidas?

 

  • Perda parcial ou total de dados;

  • Roubo de senhas, identidade, dados bancários, entre outros;

  • Suborno para resgate de informações sigilosas;

  • Espionagem;

  • Manipulação de dados corporativos;

  • Disseminação de SPAM;

 

Os danos poderiam ser catastróficos e muitas vezes irreversíveis. Mas não fique em pânico, abaixo vou falar um pouco mais sobre quais são os tipos de ataques e logo após algumas medidas de proteção.

 

falha na matrix

 

Quais são os tipos de ataques?

 

Existem diversos tipos de ataques por parte dos cibercriminosos, cada um deles funciona de uma maneira diferente por atuar em vários níveis de segurança. Calma que eu explico, imagine que um sistema de proteção seja uma cebola, ou seja, ele contém várias cascas que precisam ser penetradas antes de se chegar ao núcleo.

Alguns desses ataques focam em passar pelos níveis sem ser detectados, outros em obter credenciais dos usuários e existem também os ataques que sobrecarregam o servidor de solicitações para congestionar a comunicação.

Entre os principais tipos de ataques, podemos citar:

 

DDos

 

Uma sigla para Negação de Serviço Distribuída (Distributed Denial of Service),

esse ataque ocorre quando um servidor é propositalmente sobrecarregado de acessos e solicitações a fim de fazer a página “cair”. Nesse momento, os usuários não conseguem acessar, gerando prejuízos, por exemplo, no setor comercial por não conseguir realizar as vendas;

 

Malware

 

Este termo é a contração em inglês de “Malicious Software” ou em tradução livre (Software Malicioso). Ele é uma generalização dos tradicionais e conhecidos vírus, programas espiões, Scarewares, Cavalos de Troia, de capturas de tela e teclado (Keyloggers). Eles são programas usados para obter acessos não autorizados, capturar credenciais de acesso ou monitorar o usuário.

 

Phishing

 

Uma das formas mais amplamente usadas de ataque pela sua facilidade de expansão. Já recebeu um e-mail de promoções ou de banco mas notou que o remetente não era verdadeiramente a instituição? Pois saiba que isso é Phishing.

Ele envolve a coleta de dados e informações pessoais, como de cartão de crédito, através da semelhança do site legítimo onde o usuário não consegue perceber as pequenas diferenças e fornece suas credenciais de acesso.

 

Ataques internos

 

Eles podem ser definidos como ações de pessoas que têm acesso fisicamente aos sistemas ou privilégios administrativos e utilizam essa vantagem para benefício próprio. Geralmente obtém dados confidenciais ou se utilizam de pendrives para instalar Malwares diretamente no sistema.

Como você pôde notar, hoje em dia muitas pessoas mal intencionadas perceberam que as falhas na cibersegurança podem ser lucrativas. Por isso, é necessário tomar medidas de proteção para não ficar vulnerável.

É função da cibersegurança proteger os usuários, mas também é preciso difundir ideias de auto segurança. Abaixo, vou explicar melhor algumas medidas.

 

ciberataques

 

Quais são as medidas de proteção?

 

Depois de entender melhor sobre alguns tipos de ataques, a gente se pergunta: como posso me proteger? Segundo os especialistas em cibersegurança, os próprios usuários devem tomar medidas de prevenção. Sendo elas:

 

  • Use softwares originais e os mantenha atualizados;

  • Instale um firewall, AntiSpam e antivírus;

  • Tenha cuidado ao se conectar em redes Wi-Fi, principalmente as “sem senha”;

  • Criptografe seus dados;

  • Faça backups;

  • Tenha senhas seguras e diferentes para cada serviço;

  • Cuidado ao compartilhar imagens, vídeos e outras informações por aplicativos.

  • Use o login em duas etapas sempre que possível.


 

Agora que você já entendeu melhor sobre fazer sua própria cibersegurança, vamos falar sobre as tendências futuras e sobre a Indústria 4.0.

 

Cibersegurança na Indústria 4.0

 

Naturalmente, quem trabalha com Tecnologia da Informação (TI) já está acostumado a lidar com problemas de segurança de dispositivos no dia a dia. Desde a terceira revolução industrial, os problemas relacionados a cibersegurança vêm sendo estudados, mas com o advento da quarta revolução industrial ou Indústria 4.0, novos desafios estão surgindo.

A diferença é que, hoje em dia, a indústria evoluiu e está investindo em meios de controle ainda mais sofisticados como os dispositivos IoT (Internet das Coisas), computação na nuvem, Big Data, Inteligência Artificial, robôs autônomos, manufatura aditiva, realidade aumentada e junto a todos esses pilares, entra a cibersegurança como modo de manter todos os dados e processos seguros.

 

Planos de cibersegurança na Indústria 4.0

 

Diferente das medidas de proteção individual, os planos de cibersegurança empresariais e industriais envolvem muito mais medidas de proteção de sistemas por se tratar de ambientes onde muitas pessoas têm acesso.

Todas estas medidas em conjunto vão se transformando nas cascas da cebola que eu disse anteriormente, tornando cada vez mais complexa a entrada direta no núcleo.

Vale lembrar que não existe somente um caminho, o importante é que sejam seguidas algumas premissas básicas, como:

 

1. Política de Segurança Interna

 

Indo direto ao ponto, é muito importante ter uma política interna de segurança da informação. Isso significa que a empresa tomou medidas legais para proteger dados com os quais ela trabalha.

Para começar, defina cláusulas simples como uso de documentos internos, dispositivos de armazenamento pessoal, e-mail particular e depois vá fazendo incrementos. Insira tudo o que for relevante para o seu negócio.

 

2. Controle de acesso e detecção de invasão

 

Depois de aprender o geral sobre cibersegurança, fica claro o porquê de limitar os controles de acesso físicos e lógicos. Por isso, defina identificações digitais e restrições de acessos dos colaboradores aos setores e as áreas de infraestrutura. Mantenha sistemas de detecção de invasores presenciais e digitais sempre atualizados.

 

3. Uso de assinaturas digitais

 

As assinaturas digitais são um tipo seguro e avançado de criptografia que seguem os padrões de cibersegurança. Com elas, é possível ter alto nível de confiabilidade entre cada signatário, o que faz com que sua empresa tenha autoridade e autenticidade nos documentos que assinar.

 

4. Isolamento de conexão

 

Aos invés de conectar dispositivos e máquinas direto a Internet, faça uma rede interna livre de acessos (Intranet) e só então defina protocolos de comunicação com a rede externa (Internet).

Através da Intranet, é possível acessar dados corporativos localizados em uma filial, de forma segura, por computadores que estejam na matriz, ou seja, ela cria um canal de comunicação direto e ainda ganha na cibersegurança.

 

5. Monitoramento de sistemas e redes

 

Faça varreduras de vírus periodicamente nos seus sistemas, execute testes, monitore e rastreie de ponta a ponta toda a produção. É muito comum, quando se trata de cibersegurança empresarial, achar que nunca será invadido ou que o sistema é a prova de falhas. Pois saiba que se você ainda não foi invadido é porque está sendo agora.

 

Você está sendo vigiado...

 

Como você pôde notar, muito ainda precisa ser feito para que os dados e privacidade fiquem seguros na internet, mas para nossa alegria, novas tecnologias como Blockchain, encriptação de alta complexidade, entre outras, estão surgindo.

Mas enquanto algumas delas ainda não estão amplamente difundidas, é melhor que cada usuário zele pela própria segurança digital adotando o máximo de medidas de proteção.

Se você leu este artigo até aqui, saiba que está bem mais seguro do que a maioria das pessoas que não conhecem a importância de se tomar atitudes de cibersegurança. Então, não fique parado, seja um ciberusuário ativo e ajude a difundir a cultura de autoproteção compartilhando esse artigo com um amigo.

E aí, gostou? Deixe seu comentário abaixo, pois estamos sempre buscando novas formas de melhorar. Até mais! (: