Estamos cada dia mais conectados e imersos no mundo da tecnologia. Novas tendências de mercado, produtos e serviços surgem ao passo que vários outros somem ou se transformam.

A Internet das Coisas tem transformado as maneiras de interação entre dispositivos e pessoas (M2P), máquinas entre si (M2M) e também entre nós mesmos (P2P).

Quando se fala em IoT, muitas pessoas lembram logo do ar-condicionado, das Smart TVs e até de cidades inteligentes, e estão certas. A Internet das Coisas é onde tudo isso está interligado.

Para começar, vale falar dos benefícios relacionados com o uso de IoT como:

  • Praticidade;

  • Otimização;

  • Economia de tempo;

  • Suporte a atividades cotidianas;

  • Melhoria de processos;

  • Agilidade;

  • Monitoramento.


Então neste artigo, vou te explicar o que é IoT, quais são algumas aplicações em produtos que já existem e qual é a sua relação com a indústria 4.0. Ficou curioso? Leia até o fim! Vamos lá?

 

O que é a Internet das Coisas?

 

Internet das Coisas é a tradução do termo em inglês “Internet of Things” (IoT), que é um conceito onde objetos, pessoas, casas inteligentes e dados estão conectados através da internet, permitindo trocas de informações em tempo real. Isso possibilita que os dispositivos se adaptem ao uso e rotina dos usuários e ainda possam prever tendências.

O termo surgiu no ano de 1999 pelo pesquisador britânico Kevin Ashton, que desenvolveu um sistema de sensores capazes de conectar o mundo físico à internet enquanto trabalhava em um projeto de etiquetas eletrônicas para estoque usando a tecnologia de radiofrequência chamada RFID.

Então, a internet, as “coisas” (things) e a conexão entre eles são os três pilares da Internet das coisas, mas vale lembrar que o grande desafio é que esses dispositivos conectados preencham as lacunas entre o mundo físico e o digital para gerar novas funcionalidades.

 

Para que serve?

 

Atualmente chips, processadores e sensores estão cada vez mais baratos, versáteis e inteligentes. Eles podem ser utilizados em diversos dispositivos com o intuito de obter e processar dados. Essa integração entre software e hardware é o casamento perfeito para o desenvolvimento de novas tecnologias e aplicações no mundo real.

A Internet das Coisas converge tecnologias unindo:

Chips de conexão wireless: viabilizam uma gigantesca gama de dispositivos estejam conectados;

Processamento na nuvem e Big Data: é onde a gigantesca fonte de dados é armazenada;

Geolocalização: permite saber com exatidão a localização do usuário, para fornecer serviços baseados em sua localidade;

A convergência desses fatores resultou em uma grande mobilização mundial de financiamentos coletivos para alavancar as pesquisas relacionadas aos dispositivos IoT.

Para se ter uma melhor ideia, em 2008 o número de dispositivos conectados superou a população mundial. Em 2013 já eram 13 bilhões e a projeção segundo a Cisco, é que em 2020 já sejam 50 bilhões de dispositivos.

Levando em conta esse números, já dá para ter uma ideia de como é rápido o crescimento e as possibilidades da Internet das Coisas. Agora, vou te mostrar algumas aplicações.

 

Segurança

 

O capacete inteligente para motociclistas Skully possui uma câmera traseira que permite projetar na viseira do capacete a imagem do que acontece atrás do piloto. Além disso, é possível sincronizar via bluetooth com o smartphone com o objetivo de se conectar à internet para projetar a rotas, realizar chamadas telefônicas a ainda obter dados da navegação.

 

 

O detector de fumaça Nest Protect é um dispositivo 2 em 1 que, além de ser portátil, avisa ao seu smartphone caso haja alguma alteração nos níveis de CO (monóxido de carbono). Ele identifica e apita em caso de detecção e também pode ser desligado remotamente em caso de um alarme falso.



A Goji Smart Lock é uma fechadura eletrônica que possui sistema de controle que detecta, tira fotografias e as envia para o dono da casa. Também permite que se tranque e destranque remotamente e ainda distribui uma chave de segurança para seus convidados.

 

 

Saúde

 

Monitorando a saúde do bebê, a empresa Mimo desenvolveu uma vestimenta para bebês que envia os dados coletados em tempo real para o celular dos pais sobre respiração, temperatura da pele, posição de dormir e ainda o nível de atividade da criança.

A empresa Pixie Smart Pads desenvolveu uma fralda inteligente que detecta o nível de hidratação e sinais precoces de infecções no trato urinário, para que se possa intervir antes que os sintomas apareçam. A partir da leitura do QR Code, os dados são enviados e armazenados no telefone e podem ser apresentados ao médico.


 


O rastreador de insulina Bee+ é um dispositivo que se adapta na maioria das canetas de insulina do mercado e ainda sincroniza os dados com o smartphone. Ela gera o relatório com o índice glicêmico, data e hora da ocorrência e a partir disso se poder ter mais precisão quanto à quantidade de insulina que se pode tomar.

 

 

Internet das Coisas como pilar da indústria 4.0

 

A Indústria 4.0 é um conceito de multidisciplinaridade que prevê uma revolução no modo como as indústrias funcionam, baseadas na tecnologia. Esse conceito já é realidade nas empresas de países desenvolvidos, em multinacionais e também nas indústrias brasileiras.

Um dos principais conceitos envolvidos na Indústria 4.0 é o “machine to machine” ou chamado M2M, que está diretamente ligado ao funcionamento da Internet das Coisas e com a análise de Big Data. Com esse nível de conexão, a indústria se eleva a um novo nível de de automação, controle, tecnologia da informação e de processos de produção.

Várias indústrias já são beneficiadas com as funcionalidades que a Internet das Coisas pode fornecer. Isso permite automatizar e otimizar produções, reduzir a quantidade de erros, customizar produtos e claramente aumentar os lucros.

 

Importância da Internet das Coisas na indústria 4.0

 

A importância da Internet das Coisas na Indústria 4.0 está diretamente relacionada à capacidade da obtenção de uma infinidade de dados pelos sensores e o modo como os dispositivos ou máquinas podem se comunicar entre si.

Já é notável que esses recursos fazem parte da realidade das empresas, mas muito ainda deve ser feito. É esperado que no futuro próximo muitas outras empresas sejam beneficiadas por melhorias que já estão sendo desenvolvidas.

Mas a indústria já não é automatizada? Você já deve ter pensado que as máquinas, hoje em dia, já dominam os processos de produção e que de certa forma não existe diferença, mas saiba que hoje elas são controladas por operadores humanos.

Na Indústria 4.0, espera-se que toda a comunicação e controle sejam feitos entre as máquinas que vão interagir entre si. Várias decisões como: quando ligar, desligar, acelerar ou reduzir a velocidade, solicitar novos suprimentos, serão feitas automaticamente.

 

Como a Internet das Coisas pode ser usada pela indústria

 

Em um cenário dominado pela Internet das Coisas, os dados captados no chão de fábrica vão ser transmitidos para a nuvem. Isso vai permitir que gestores tomem decisões e iniciativas que serão transformadas em melhorias e ganho de produtividade.

Além disso, baseado nos históricos de funcionamento das máquinas, é possível prever a melhor época para manutenção preditiva e até a maior chance de falhas. Então, à medida que os dispositivos ligados à Internet das Coisas geram relatórios, a empresa consegue programar paradas estratégicas de manutenção preventiva para que se minimize os gastos de pausa da produção.

Podemos citar também os controles automáticos na gestão de estoque com os dispositivos RFID. Eles são etiquetas com identificação única que são utilizados por proximidade do leitor como uma espécie de código de barras por radiofrequência.

Para sintetizar, aqui vão alguns benefícios da Internet das Coisas para a Indústria:

  • Minimizar operações e paradas;

  • Melhoria no desempenho da produção;

  • Redução dos custos operacionais;

  • Melhoria na capacidade de tomar decisões;

  • Informação da produção barata;

  • Transforma análise de dados em inteligência;

  • Elimina erros e desperdícios;

  • Fornece ganho de tempo;

  • Redução de pessoal em atividades repetitivas;

  • Detecção antecipadas de problemas;

 

Para não deixar de citar as desvantagens, ainda há muito a ser trabalhado na questão de segurança e também privacidade. Com uma infinidade de novos dispositivos online, o perigo de ter informações do dia a dia vazadas é real, mas também tem sido o foco de muitos estudos na área.

 

Se prepare!

 

A Internet das Coisas vai se tornar um assunto cada vez mais frequente. Milhares de pessoas, empresas, multinacionais e startups estão neste momento buscando formas de tornar objetos inteligentes mais comerciais e acessíveis. Você vai ficar de fora dessa?

Não esqueça de deixar seu feedback e compartilhar com um amigo que gosta de tecnologia e quer saber mais sobre Internet das Coisas. Até mais!