Como investidor ou empreendedor , é fundamental que, além de se ter um objetivo muito bem definido, se tenha um bom planejamento. Para criar um bom planejamento , é necessário analisar todos os possíveis cenários onde se está inserido, considerando, principalmente, uma boa estratégia para sobreviver à crise.

Se tem um fato que não diverge as opiniões de especialistas da área é o seguinte: a economia mundial baseia-se em movimentos cíclicos, ascensões e quedas de grandes potências e hegemonias.

Tendo isso em vista, é certo que, durante a sua vida como investidor ou empresário, você passará por momentos de esperança e até euforia na economia, assim como passará por grandes crises e recessões.

Dessa maneira, é fundamental, para o seu sucesso e o do seu negócio, que você saiba como se comportar nas duas situações, maximizando o seu ganho nos períodos de fartura para ampliar seu caixa e também, utilizando as melhores estratégias para sobreviver à crise.

 

Como a crise afeta seu negócio?

 

É bom que você saiba responder a essa pergunta antes de passar por uma, afinal, como diria a minha sábia avó: "é melhor prevenir do que remediar".

Mas se esse não foi o seu caso, tenha calma, pois analisaremos agora os principais efeitos de uma crise no seu negócio e como proceder para superá-la de uma forma mais branda.

Há crises que são somente financeiras tanto na causa quanto na solução, porém outras surgem de diferentes áreas e, assim, requerem diferentes ações para sua solução.

Primeiramente, veja os principais impactos:

 

Baixa nas vendas

O impacto mais direto é nas vendas da empresa. Em momentos de recessão, a esperança na economia enfraquece e, devido ao temor generalizado pela falta de dinheiro para necessidades básicas, a coragem de compra é muito diminuída.

 

Aumento do estoque

Com a diminuição e, muitas vezes, até a não ocorrência de vendas, o que ocorre é que, se um novo planejamento não for feito muito rapidamente, muitos produtos serão produzidos para suprir a demanda normal da empresa e, com a recessão, não serão vendidos, isso aumenta os gastos da empresa com estoque e logística .

 

Falta de caixa para pagar impostos, custos e funcionários

Devido aos pontos já salientados nos tópicos anteriores, é comum que em momentos de crise muitas empresas que, sem caixa para emergências, não consigam efetuar os pagamentos aos funcionários , arcar com os custos recorrentes e pagar os seus impostos da maneira devida.

Com isso, muitas empresas, principalmente de micro, pequeno e médio porte, acabam decretando falência.

 

Pausa nas atividades

Há crises que exigem uma pausa temporária nas atividades da empresa, como é o caso da pandemia mundial do Coronavírus.

Esse tipo de crise, tão grave, quase sempre acarreta em ações do governo na economia, visando a sobrevivência das empresas e da economia do país como um todo.

Mas o fato é que, você não vai querer depender de medidas do governo para a sobrevivência do seu negócio. Para saber como fazer isso continue comigo para o próximo tópico!

 

Estratégias para superar a crise

 

Como já foi dito, o ideal é que a empresa comece a se preparar muito antes das crises, aproveitando os momentos de fartura para a criação de um fundo emergencial. Mas, sabemos que muitas empresas não fazem isso e, se a sua é uma delas, tenha calma, pois abordaremos agora dicas para ambas a situações.

 

Fundo emergencial

Esse é o mais evidente e principal conselho para qualquer empresa, ou mesmo qualquer indivíduo, sobreviver a uma crise.

Em fases de bonança, e mesmo em períodos mais neutros, é essencial pensar em lucrar um caixa extra e fazer economias para, guardando esse dinheiro, criar um fundo de emergência.

Esse fundo deverá ser aplicado em algum investimento onde o risco é o menor possível, porém, seu rendimento deverá superar pelo menos à inflação e, preferencialmente à poupança, e sua liquidez deverá ser diária.

O fundo deverá ter o tamanho de acordo com a necessidade de seu proprietário, devendo ser capaz de sustentar o indivíduo ou os gastos básicos de uma empresa por, pelo menos, alguns meses, até que situações emergenciais passem.

Boas dicas para esse tipo de investimento são: Tesouro Selic, CDBs, LCIs, LCAs, Fundos de renda fixa e Fundos DI.

 

Empréstimos

Porém, para você que não se preparou e já está no meio do olho do furacão, também há solução.

Neste caso, a crise trará consequências mais danosas e prolongadas do que no primeiro, porém ainda assim, a solução que traremos aqui tende a ser melhor do que decretar a falência do negócio ou, no caso do indivíduo, passar alguma necessidade.

Então, se você se encontra nessa situação, é o momento de manter a calma e buscar de forma racional por crédito empresarial ou pessoal.

Estude opções de crédito e financiamento, ou busque por alguém que esteja disposto a investir no seu negócio por um retorno futuro que seja menor do que os juros cobrados nos empréstimos de bancos e demais instituições financeiras.

O BNDES (Banco Nacional do Desenvolvimento), por exemplo, conta com empréstimo para micro, pequenas e médias empresas e para empresários individuais.

Para a crise econômica gerada pela pandemia do Coronavírus por exemplo, o BNDES expandiu uma oferta de capital de giro na intenção de oferecer crédito rápido e flexível para empresas de todos os portes.

Supondo uma microempresa de Minas Gerais do setor de comércio e serviços, temos que esta conseguiria uma taxa final média de juros de 13,26% a.a. com esta medida emergencial do BNDES.

 

Just in Time

Para redução dos gastos com estoque e logísticas, o Just in Time e um conceito que tem muito à contribuir.

A ideia apresentada por este conceito baseia-se em atender os pedidos exatamente no momento em que são feitos.

Desta maneira, evita-se o acúmulo tanto de matérias-primas quanto de produtos e eliminam-se desperdícios com a estocagem e a logística dos mesmos.

 

Siga as recomendações das autoridades e especialistas na crise em questão!

 

Na crise da pandemia do Coronavírus por exemplo, a OMS deu claras instruções de quarentena para evitar a disseminação do vírus e a falta de leitos e respiradores nos hospitais para atender à uma demanda muito alta de infectados.

Na gripe espanhola, em 1918, as cidades que se anteciparam no distanciamento social foram as que mais cresceram após a pandemia.

Sendo assim, como indivíduo ou empreendedor, você tem o dever de evitar ao máximo sair de casa e proporcionar essa segurança também aos colaboradores do seu negócio. Isto lhe garantirá uma recuperação muito mais rápida, passada à crise.

 

Uma dica final: não entre em pânico!

 

Em momentos de crise e recessão, é comum presenciarmos pânico e desespero coletivo. O problema é que esse tipo de comportamento não ajuda em nada e o medo gerado tende a alimentar ainda mais a crise em questão.

Por isso, é muito importante saber em que fontes confiar e como guiar o seu pensamento de maneira racional, tomando as medidas necessárias para se proteger e ao seu negócio.

Isso é importante para a saúde do seu negócio e a sua própria saúde física, financeira e mental.

Agora, para seguir todas as dicas abordadas neste artigo e sair por cima dessa crise, aproveitando inclusive algumas oportunidades que surgirão, é necessário se preparar. Inscreva-se já no curso gratuito de Fundamentos Essenciais da Gestão Financeira e comece a sua jornada rumo à prosperidade financeira!

 

Curso de Fundamentos Essenciais da Gestão Financeira