Se você já se pegou entretido por uma história, sabe o quão poderosa é a habilidade de contar histórias de forma que ela se torne relevante e interessante para quem está ouvindo. E é exatamente disso que se trata o storytelling.

Esse termo se tornou extremamente comum nos dias atuais, sendo uma competência obrigatória para a área de marketing e vendas de uma empresa que deseja divulgar sua marca e seus produtos de forma a engajar o consumidor.

“Ah, mas qualquer um pode contar uma história”. Sim, até pode, mas são poucos que conseguem contar uma história de uma forma envolvente e que permaneça viva na memória dos espectadores.

É sobre essa capacidade que vou te falar nesse artigo. Continue lendo para descobrir como dominar essa arte chamada storytelling, que é tão valorizada no mercado atual.

 

O que é storytelling?

 

 

Storytelling é a capacidade de contar uma história de forma que ela seja relevante e envolvente para quem a história está sendo contada. Ou seja, é a técnica de se usar elementos narrativos cativantes para propagar uma ideia, um sentimento.

A utilização de exemplos durante o storytelling em uma apresentação é muito importante para despertar imagens no pensamento dos ouvintes, envolvendo-os de forma direta na narrativa.

O storytelling também pode ser um bom recurso para quebrar a formalidade das apresentações através do compartilhamento de história pessoal ou que antes só você conhecia, gerando maior empatia entre narrador e ouvinte.

E por que fazer isso? A resposta é que somos naturalmente cativados por histórias. Nos apegamos a elas e nos identificamos com o personagem, torcendo para que ele tenha sucesso, sentindo suas dores e seus anseios.

Por isso que essas histórias funcionam e têm sido cada vez mais usados pelas empresas para divulgar sua marca e seus produtos. Conseguir gerar no cliente esse engajamento, essa identificação com a marca, é o grande objetivo do storytelling.

 

A Jornada do Herói

 

A Jornada do Herói, ou monomito, é um conceito de jornada cíclica comum a muitas histórias e mitos apresentado pela primeira vez pelo antropólogo Joseph Campbell em seu livro The Hero With a Thousand Faces (“O Herói de Mil Faces”).

Baseado no fato de que esses arquétipos estão enraizados em nosso subconsciente, histórias que apresentam essa estrutura tendem a gerar uma identificação muito mais profunda com o ouvinte do que as que não seguem.

Assim, ao seguir a fórmula Partida - Iniciação - Retorno, essa jornada leva o espectador a acompanhar toda a trajetória do personagem principal, sentindo suas dores e se alegrando com suas vitórias. Toda essa trajetória gera o sentimento de que nós passamos por todo esse caminho com o herói.

E qual a conexão com o storytelling? Bem, é que a jornada do herói é, na maioria dos casos, o molde de uma boa história que se torna lembrada e reconhecida pelo público.

Sendo assim, na hora de criar uma história cativante, essa estrutura geralmente será empregada. Por isso, muito da capacidade de contar histórias memoráveis vem do entendimento e da aplicação da jornada do herói.

As principais etapas dessa jornada são:

 

  • O herói vive uma vida normal até que surge o chamado para a aventura

  • O herói resiste ao chamado

  • O herói encontra seu mentor e aceita seu chamado

  • O herói enfrenta diversas dificuldades, obstáculos e problemas

  • O herói se prepara para uma grande mudança

  • O herói supera seus desafios

  • O herói volta para casa e ensina os demais

 

É baseado nessa estrutura que temos, por exemplo, a saga Star Wars, em que George Lucas usa de todos os elementos da jornada do herói para nos contar toda aquela história. O resultado? Uma saga que dura até hoje e continua viva na memória das pessoas, se tornando referência na cultura pop, além de faturar alguns milhões de dólares.

 

 

Temos também outros exemplos de filmes consagrados que se baseiam em variações da jornada do herói, como a trilogia Matrix, que pode ser categorizada como sendo a jornada de um herói relutante, que resiste um pouco mais contra seu chamado até finalmente aceitá-lo.

Esses são apenas alguns exemplos de como essa estrutura narrativa fundamental do storytelling consegue gerar essa ligação com o espectador, estabelecendo a história, a marca ou o produto de forma concreta na mente das pessoas.

 

Importância do storytelling

 

Por que o storytelling é importante? Imagine que você tem uma ideia revolucionária, mas daquelas muito boas mesmo. De que adianta essa ideia ser boa, se você não souber transmiti-la? Uma ótima ideia acabará sendo descartada porque não foi bem apresentada, ou seja, a história não foi bem contada.

Sendo assim, nesse cenário, você precisará desenvolver uma habilidade, e adivinha qual é essa habilidade. Isso mesmo, storytelling. Entendeu a importância? É por isso que as empresas buscam desenvolver essa capacidade na hora de desenvolver seu marketing de conteúdo.

Mas não só empresas precisam desenvolver essa capacidade. Para se destacar no mercado de trabalho atual, você vai precisar ter essa habilidade bem aperfeiçoada. Liderar é contar boas histórias, que são necessárias para convencer as pessoas a embarcarem na sua ideia, a acreditarem na sua liderança.

Podemos demonstrar a importância do storytelling com uma simples constatação de que, embora estejamos rodeados por várias informações e dados diferentes, dificilmente nos lembramos deles. Mas nos lembramos de histórias.

Histórias são ainda mais importantes que isso. Elas são como nossos cérebros funcionam. Por exemplo, é por isso que todos nós sentimos que é mais seguro dirigir do que voar, mesmo que as estatísticas provem o contrário. Nós nos lembramos das histórias horripilantes de acidentes de avião e esquecemos as estatísticas.

Isso porque atribuímos emoções a eventos para criar histórias e memórias. Nossos cérebros são construídos dessa maneira. Portanto, contar histórias é essencial se você quiser usar o cérebro do jeito que ele funciona melhor. Lembramos do emocional, do particular e do violento especialmente. Esquecemos o chato, o geral e o inofensivo.

 

Aplicação do storytelling

 

Esse é o momento em que você estar se perguntando como criar essa história impactante, certo? Para isso, você não pode se limitar a contar a história, mas também é preciso saber como contar essa história.

E é por isso que o storytelling é caracterizado pelo uso de recursos audiovisuais na hora de transmitir a mensagem. A combinação da narração com esses recursos facilita a absorção do conteúdo pelo nosso cérebro, pois aborda diferentes formas de aprendizado, como auditiva e visual.

A história pode até ser simples, mas se for bem contada, utilizando-se os elementos certos, ela terá uma chance maior de alcançar o destinatário do que uma história mais complexa, mas que não faça bom uso dos recursos à disposição.

Um excelente recurso no mundo atual é a utilização das redes sociais para a divulgação da história que você transmitir para o cliente. Se pegarmos o Instagram, por exemplo, você terá um minuto para contar sua história de forma a fisgar o usuário. Para obter êxito, será necessário usar com maestria os recursos do storytelling.

Quando falamos em vender um produto, estamos falando sobre satisfazer uma necessidade do cliente. É preciso realizar um sonho do cliente que nem ele mesmo sabe que tem. É nesse momento que a marca apresenta para o cliente a solução de seus problemas, algo que ele precisa, mesmo que ele nunca tenha pensado nisso até então.

E por que isso funciona tão bem? Porque esse sentimento de sincronização entre você e quem conta a história é profundamente satisfatório. Então, quando a comunicação funciona, estamos literalmente alinhados uns com os outros, até os nossos padrões cerebrais.

Isso é inspirador e reconfortante de saber; quando nos comunicamos com sucesso, estamos realmente experimentando a mesma coisa.

 

Conclusão

 

Vamos fazer uma recapitulação de tudo que aprendemos. Storytelling é a capacidade de contar histórias de maneira relevante, na qual podem ser utilizados diversos recursos de abordagem com os interlocutores.

Podemos definir como elementos fundamentais para desenvolver um storytelling:

 

  • Personagem central

  • Fato que relacione o personagem ao tema da apresentação

  • Objetivo do personagem

  • Obstáculos para alcançar o objetivo

  • Ações realizadas pelo personagem para atingir seu objetivo

 

De forma resumida, o roteiro deve responder três perguntas principais: Quem é o personagem? Qual sua principal fraqueza? Como ele supera essa fraqueza e atinge seu objetivo? São essas três perguntas que, se respondidas corretamente, conseguirão gerar essa conexão com o interlocutor.

O grande objetivo é fazer com que esse interlocutor insira emoções nessa história, que coloque um sentimento pessoal. Assim, inconscientemente ele se identificará com o emissor da mensagem.

 

Aprenda mais!

 

Agora você já sabe o que é storytelling, como é estruturado, qual a sua importância e como desenvolvê-lo. Mas não basta desenvolver essa capacidade para saber fazer uma apresentação, por exemplo. Para conseguir alcançar uma boa oratória, é necessário ter várias outras qualidades, como dicção e linguagem corporal.

Pensando nisso, a Voitto desenvolveu o curso Oratória e Técnicas de Apresentação, em que você aprenderá tudo que você precisa saber sobre o assunto. Não perca tempo e domine essa habilidade essencial para qualquer profissional. Inscreva-se já!

 

 

Não se esqueça de deixar seu comentário nos dizendo o que você achou deste artigo. Se ficou com alguma dúvida, mande para nós também!