Se você tivesse que optar entre passar um fim de semana com os amigos ou fazer um curso que irá te trazer retornos financeiros maiores no trabalho, qual você escolheria? Independente da sua resposta, é necessário entender o custo de oportunidade da opção. 

Sempre que alguém possui duas ou mais alternativas e escolhe uma delas, a pessoa abre mão das vantagens da opção não escolhida, ou seja, deixa de ganhar algo. No entanto, isso, às vezes, não é levado em conta. 

Para tomar decisões mais conscientes, mais do que analisar aquilo que você terá em uma opção, é importante analisar o que você deixará de ter. Por isso, o conceito de custo de oportunidade é tão importante para sua vida pessoal e também para gestão financeira

Para você entender um pouco mais sobre esse tema, preparamos para você o conteúdo nos seguintes itens:

  • O que é custo de oportunidade?

  • Qual a função e a importância do custo de oportunidade?

  • Tipos de custo de oportunidade;

  • Cálculo do custo de oportunidade;

  • Exemplos de custo de oportunidade.

Pronta(o) para aprender mais sobre o assunto? Vamos lá!

 

O que é custo de oportunidade?

 

Custo de oportunidade é um conceito econômico avalia tudo aquilo que foi renunciado quando uma pessoa escolhe outra opção. Para ficar ainda mais claro:

Caso você tenha escolhido fazer o curso, você perderá o tempo com os amigos, que possivelmente não poderá acontecer durante os dias de semana devido às tarefas do dia a dia. Enquanto isso, talvez o curso pudesse ser conciliado com as atividades dos dia úteis. 

Mesmo sem perceber, todas as pessoas aplicam o conceito de custo de oportunidade várias vezes todos os dias. Afinal, escolher algo sempre é abrir mão dos benefícios das alternativas que não foram escolhidas.

Está interessado em começar a ter mais controle sobre suas finanças para, assim, aplicar o conceito de custo de oportunidade? Pensando nisso, preparamos para você o curso Gestão Financeira Pessoal.

Nele, você aprenderá a estruturar sua vida financeira, entendendo os principais conceitos do mundo das finanças. Além disso, aprenderá a organizar a saúde financeira da sua casa e também aprenderá a fazer planejamentos futuros de forma mais concreta e precisa.

Não vai perder essa oportunidade, não é mesmo? Basta clicar no botão abaixo!

Curso de finanças pessoais

Agora que você já sabe o que é o custo de oportunidade, também é preciso entender a sua função e importância na tomada de decisão. Por isso, confira o tópico abaixo. 

 

Qual a função e a importância do custo de oportunidade?

 

Quando alguém opta por uma alternativa sem avaliar o que deixará de ter por não ter escolhido a outra opção, é muito arriscado. Afinal, o que garante o sucesso de um projeto ou investimento em qualquer âmbito da vida é a avaliação dos riscos

Por isso, em todas as decisões pessoais e profissionais importantes, os custos de oportunidade devem ser detalhados para que as decisões sejam assertivas. 

Continuando o exemplo, ao saber que todos os seus amigos irão trabalhar durante os dias de semana e o encontro com eles não será possível, há a opção de fazer o curso em turmas em horário noturno. Assim, os prós e contras são levantados, considerando o custo de oportunidade.

Dessa forma, se a decisão é passar o fim de semana com as pessoas que você gosta, você já levará em consideração o cansaço ao longo da semana pelas horas extras de estudos e o tempo prazeroso com os amigos.

Para entender mais sobre cada um dos tipos de custo de oportunidade, leia a seguir.

 

Tipos de custo de oportunidade 

 

Os custos de oportunidade podem ser separados em quatro âmbitos principais:

  • Custo de oportunidade contábil;

  • Custo de oportunidade ambiental;

  • Custo de oportunidade aberto;

  • Custo de oportunidade escondido.

Essas divisões levam em consideração o âmbito em que o conceito é aplicado e se é evidente o que deve ser considerado em sua análise. 

 

1. Custo de oportunidade contábil

 

Normalmente, as empresas podem escolher destinar recursos para diversos tipos de investimentos. Para isso, analisam minuciosamente as opções e projetam quais seriam os retornos de cada um deles. 

O custo de oportunidade contábil é justamente o lucro sacrificado de um projeto pela escolha do investimento em outro. 

 

2. Custo de oportunidade ambiental

 

Já o custo de oportunidade ambiental refere-se ao máximo de retorno de um projeto em caso de uso de um recurso natural. 

Um exemplo é o uso de carvão para o funcionamento de máquinas. Por ser um recurso não renovável, a sua utilização implica no gasto capital para a sua produção que não será destinado a outro fim, como placas de energia solar. 

 

3. Custo de oportunidade aberto

 

O custo de oportunidade aberto é o de mais fácil cálculo. Afinal, tudo o que deixará de ser usufruído pela escolha de outra opção é claro e mensurável. 

Por exemplo, quando a escolha é feita entre dois tipos de investimentos pré fixados. Em ambas as alternativas, o investidor já sabe qual retorno terá, mas outras variáveis como a segurança do Fundo Garantidor de Crédito podem influenciar na decisão final. 

 

4. Custo de oportunidade escondido

 

Em diversas situações, não é possível saber com exatidão o que será perdido caso uma decisão seja tomada. Por isso, o que não é percebido é chamado de camuflado e não pode ser mensurado. 

Um exemplo são os produtos inovadores que não possuem referências para cálculo no mercado. Como não é possível mensurar o seu desempenho, o cálculo do custo de oportunidade não é eficiente. 

 

Cálculo do custo de oportunidade 

 

O custo de oportunidade, para o âmbito de investimentos e produtos financeiros, é tão importante quanto o seu cálculo para os demais. Além disso, pode ser crucial do longo prazo.  

Porém, o lado bom dessa avaliação é o fato de que alguns investimentos possuem alta previsibilidade de retorno, enquanto os mais variáveis é possível fazer cálculos em diversos cenários para ter uma avaliação mais precisa. 

Como cada pessoa possui o seu próprio perfil de investidor, as vantagens e desvantagens de cada tipo de aplicação deve ser investigada antes da escolha. 

É sempre importante levar em consideração algumas questões para calcular o custo de oportunidade:

  • Liquidez do investimento; 

  • Segurança do respaldo pelo Fundo Garantidor de Crédito (FGC); 

  • Aversão ou tolerância a variação do valor do investimento; 

  • Prazo de aplicação; 

  • Taxa de retorno. 

Um exemplo de situação que leva em conta esses fatores é a comparação entre investimentos automáticos feitos em contas correntes e Certificados de Depósito Bancários (CDB).

A primeira opção rende diariamente a taxa de 100% do CDI, sem taxas de administração. O investimento é em renda fixa e garantido pelo FGC. Como a liquidez é diária, a qualquer momento o investidor pode decidir retirar o dinheiro aplicado. 

Outra opção é um Certificado de Depósito Bancário (CDB), que rende 110% do CDI, é assegurado pelo FGC e também possui a previsibilidade da renda fixa. No entanto, ele só pode ser resgatado em um ano.

 

Escolha pela primeira opção 

Ao escolher pelos investimentos automáticos, as vantagens estão em não despender tempo analisando as opções de produtos financeiros disponibilizadas no mercado, afinal a aplicação é automática

Além disso, é possível que o resgate aconteça a qualquer hora. Gerando ainda mais segurança e estabilidade. 

No entanto, o dinheiro fique por pelo menos um ano, o rendimento deixará de ser 110% do CDI e será apenas 100% do DDI, diferença de 10 pontos percentuais

 

Escolha pela segunda opção 

Como você já sabe, se o investidor deixar o dinheiro aplicado durante um ano, o retorno dessa opção será maior. No entanto, caso quem aplicou necessite do valor em períodos mais curtos ele não poderá resgatar

Porém, para pessoas que podem tirar o valor da aplicação para gastos supérfluos e não necessários, o fato de poder retirar o dinheiro apenas na data de vencimento é um fator positivo, pois o dinheiro continuará por mais tempo rendendo. 

No entanto, para a escolha do investimento, foi necessário despender tempo e analisar as opções disponíveis. Além de fazer transferências para a instituição financeira e aplicar o valor. 

Confira outros exemplos que podem ter o custo de oportunidade calculado a seguir. 

 

Exemplos de custo de oportunidade 

Em diversas outras situações no mundo dos investimentos, os custos de oportunidade também devem ser levados em consideração. Por isso, confira alguns exemplos.

 

Alugar ou Financiar

Um dos exemplo é a decisão de alugar um imóvel ou aderir a um financiamento. É possível que alugando você terá condições de viver em um imóvel muito melhor com o mesmo valor do financiamento, por exemplo. 

No entanto, outra alternativa é viver em um imóvel do mesmo padrão e investir a diferença para a compra à vista. Podendo, assim, obter descontos consideráveis e não pagar juros e taxas de um financiamento. 

Porém, há pessoas que se motivam por pagarem algo que será de sua posse no futuro. Sendo assim, a compra de imóvel pode ser mais viável.

 

Compra à vista ou a prazo

Muitas vezes comprar à vista não possui desconto e comprar a prazo não incide juros. Por isso, não pagar faz os valores poderem ser usados para outras compras prioritárias ou até mesmo a aplicação e rendimento do valor. 

No entanto, há pessoas que ao comprarem no crédito se descontrolam e acabam por se endividarem e não conseguirem seguir planejamentos financeiros. Esse fator também deve ser levado em consideração.

 

Não pare agora!

 

Neste artigo, você aprendeu sobre custo de oportunidade e como é preciso avaliar os prós e os contras a fim de tomar a melhor decisão para sua situação. Entretanto, para ter sucesso, é preciso também investir na sua educação financeira pessoal.

Quantos mais conceitos de finanças você dominar, mais certeza você terá em suas escolhas financeiras e em seus investimentos. Por isso, trouxemos para você o curso Fundamentos da Gestão Financeira.

Com o curso, você aprenderá a entender de forma mais profunda sobre o fluxo de caixa e aprenderá sobre os erros mais comuns da gestão financeira e como superá-los. Pronto para alavancar seu conhecimento? Então, inscreva-se logo abaixo!

Fundamentos essenciais da gestão financeira