Grandes empresas como Fiat, Natura, Volvo, Nestlé, entre outras, estão se esforçando para melhorar seus processos a fim de conseguir certificações do World Class Manufacturing. Você tem ideia do que isso significa? Não? Vou explicar!

Considerada uma das mais modernas metodologias da melhoria contínua, o WCM garante que as empresas obtenham vantagens competitivas partindo de práticas com baixo investimento e envolvendo toda a organização, apresentando como um de seus principais pilares a segurança.

Embora seja um termo amplo, o pilar de segurança é estratégico e necessário para as empresas, pois impacta em diversos indicadores de produtividade, além de assegurar a qualidade dos produtos finais. 

Se você quer aprender a como implementar o pilar de segurança dentro de uma organização, este é o artigo certo para você. Aqui te explicarei:

  • O que é o pilar de segurança e qual seu objetivo?
  • Quais os principais indicadores do pilar de segurança para uma empresa?;
  • 7 passos para implementação da segurança nas empresas.

 

O que é o pilar de segurança e qual seu objetivo? 

 

O pilar de Segurança, no WCM, diz respeito a um método que é aplicado para manter um ambiente de trabalho saudável, assegurando condições básicas para os colaboradores e para os processos. 

O objetivo deste pilar é desenvolver uma cultura de prevenção de problemas que a empresa possa apresentar, buscando alcançar um nível de zero acidentes e zero doenças ocupacionais

É muito interessante perceber que a segurança vai além disso e proporciona a motivação e um ambiente mais leve para que os colaboradores se sintam confortáveis a desempenharem suas atividades, impactando em sua produtividade e no employer branding

Aproveite para acessar nosso artigo sobre Segurança do Trabalho e entender os benefícios que você pode gerar para as organizações. 

Para o desenvolvimento deste pilar dentro de uma organização, o WCM considera algumas abordagens bastante sistemáticas, utilizando ferramentas que são auditadas pela Associação WCM

Quer saber como é estruturada essas abordagens e como aplicá-las? Continue lendo este artigo que vou ensinar o passo a passo para que você possa aplicar em sua empresa. 

Mas antes, vou deixar aqui um curso gratuito de Introdução ao WCM para que você  se capacite e conheça toda a estrutura desta metodologia que está crescendo muito dentro e fora do Brasil. 

 

Curso gratuito de WCM

 

Quais os principais indicadores do pilar de segurança para uma empresa?

 

Se você tem como objetivo gerar resultados rápidos é necessário se basear em indicadores, pois são eles que te direcionam nessa jornada. 

“O que pode ser medido pode ser melhorado” - Peter Drucker. 

Para tornar esse argumento mais palpável, imagine que você deseja se deslocar de um ponto A para um ponto B. Existem diferentes maneiras de você conseguir realizar esse trajeto, podendo ir caminhando, de bicicleta, avião, navio, entre outras possíveis soluções. Mas, se você levar em consideração a velocidade, o baixo investimento e a segurança, essas possibilidades vão se afunilando. 

Indo ainda mais além, se você pensa em realizar esse trajeto mais de uma vez e ir melhorando cada vez que o fizer, então você precisará mensurar o tempo que está sendo gasto, o quanto está sendo investido e também a segurança para comparar e analisar se está conseguindo melhorar continuamente, certo?

Desta maneira, é possível analisar quais são os pontos mais desfalcados e focar em melhorá-los. Assim como neste exemplo, as empresas precisam desse direcionamento. 

Portanto, vamos conhecer quais são os principais indicadores do pilar de segurança que as empresas precisam mensurar e aplicar melhorias.

 

1. KPI (Key Performance Indicator)

  • Acidentes com perda de tempo (CPT);
  • Acidentes sem perda de tempo (SPT);
  • Quase acidentes;
  • Condições inseguras;
  • Comportamentos inseguros.

 

2. KAI (Key Activity Indicator)

  • Análise de S-EWO dos acidentes;
  • Riscos eliminados ou reduzidos;
  • Procedimentos de segurança e LPP;
  • Auditoria SMAT;
  • TWTTP para comportamentos inseguros;
  • Cartões e checklist de segurança;
  • Lista de verificação de segurança;
  • Kaízen.

 

Agora que você já conhece os principais indicadores e a importância do pilar de segurança para a expansão das empresas, vamos aprender a como implementar. 

 

7 Passos para implementação do pilar de segurança nas empresas


Pilares técnicos do WCM

Antes de aplicar os 7 passos que garantem a segurança dentro das organizações, é importante entender que os acidentes são causados por conta de condições no ambiente de trabalho que oferecem perigo ao trabalhador somado aos atos inseguros que são praticados por ele. 

Para atacar essas causas e prevenir os incidentes é necessário a aplicação de ferramentas como o Princípio do Iceberg, Pirâmide de Heinrich e Matriz de Segurança. Essas ferramentas auxiliam na identificação dos problemas e devem ser consideradas como competências para a equipe que for implementar o pilar da segurança. 

Neste momento, vale ressaltar que o WCM é construído de maneira progressiva, isto é, inicia-se a implementação dos pilares técnicos por uma área modelo e em seguida vai expandindo para toda  a unidade fabril. Portanto, vamos entender o passo a passo de sua implementação. 

 

1. Análise dos acidentes e suas causas

O primeiro passo é realizar uma análise dos acidentes buscando identificar suas causas raiz. Isso pode ser feito mapeando os acidentes pela ferramenta Matriz S e monitorando a gravidade desses incidentes pela Pirâmide de Heinrich. 

Outra ferramenta muito importante nesta etapa é a S-EWO (Safety Emergency Work Order) que além de ajudar na identificação da causa raiz, busca uma solução e contramedida para os riscos encontrados. 

 

2. Contramedidas e expansão 

Depois de ter identificado os problemas e os solucionados, é necessário aplicar as contramedidas para que aquele risco deixe de existir, e assim, expandir para as áreas que apresentam riscos semelhantes. 

Algumas ferramentas utilizadas neste segundo passo são as de padronização, como SOP, Lição Ponto a Ponto, auxilio visuais, PDCA e Kaizen

 

3. Padrões iniciais de segurança

O foco dessa etapa é na execução daquilo que foi padronizado, a fim de ser analisado os riscos e promover contramedidas. 

Tais riscos se dividem em Risk Assesment, que são voltados para a avaliação do cumprimento das legislação e, Risk Prediction, que são as ações voltadas para inibir comportamentos inseguros. 

 

4. Inspeção geral

No quarto passo, a inspeção geral tem como objetivo treinar pessoas que são ou se tornarão responsáveis por cuidar da segurança. Essas pessoas precisam realizar auditorias periódicas e saber as medidas corretas para os problemas que são identificados. 

Aqui são utilizadas ferramentas como TWTTP para prevenir e treinar essas pessoas, auditorias SMAT, priorização dos incidentes que devem ser tratados e checklist de segurança. 

 

5. Inspeção autônoma 

A quinta etapa tem como objetivo a prevenção de falhas, sendo importante que algumas análises e ações sejam feitas pelo próprio operador, que é quem está lidando com aquela operação no dia a dia. Isso pode resultar em diversos benefícios para a empresa e você pode saber mais acessando nosso artigo que citamos as vantagens da manutenção autônoma

Também é possível utilizar a auditoria SMAT nesta etapa, mas seguindo uma abordagem preventiva, no qual os próprios operadores em conjunto com o líder da segurança possam conduzir a inspeção. 

 

6. Padrões autônomos de segurança

Esse passo busca aplicar melhorias para os padrões que foram alcançados, trazendo a participação dos operadores nas avaliações de risco, na implementação de atividades de melhoria e elaboração de procedimentos, por exemplo. 

Quando não é possível identificar a causa raiz de um erro do operador pelo TWTTP, então aplica-se o RJA (Reconhecimento, Julgamento e Ação), uma ferramenta do WCM para identificar comportamentos inseguros através de gravações. 

 

7. Sistema de segurança implementado

Por último, é necessário garantir a implementação da segurança através de cada um desses passos anteriores tendo uma gestão formalizada e coerente de todos os processos. 

Além de ter um sistema de avaliação e controle de todos os processos, a empresa deve também incentivar a prática de exercícios físicos e alimentação saudável. Por fim, se certificar OHSAS ISSO 18.0001 pode garantir que a empresa tem um sistema de segurança implementado.

 

Agora é com você! 

Depois de aprender a implementar o pilar de segurança dentro das organizações seguindo a metodologia WCM, é recomendável que você pratique o uso das ferramentas que foram mencionadas em cada passo. 

Além disso, a melhoria contínua exige que você desenvolva sua capacidade de análise e criticidade sobre os processos de maneira a torná-los ainda melhor, tanto para o operador quanto para o produto em si.

Se você pretende se desenvolver em melhoria de processos e se destacar por proporcionar resultados positivos dentro das empresas, acesse gratuitamente o curso de Introdução ao Lean Manufacturing e garanta sua certificação na metodologia mais implementada no mundo. 

Curso gratuito de Lean Manufacturing
 

Este artigo te ajudou? Então não deixe de compartilhar com seus amigos!

Caso tenha alguma dúvida, deixe seu comentário que irei te responder.