Dentro do ambiente em que cada vez mais as empresas têm que produzir focando na eficiência e eficácia de seus processos para se adequarem ao mercado competitivo, é necessária a utilização de algumas iniciativas. A manutenção autônoma é uma delas

É importante ressaltar que qualquer ganho de produtividade, por menor que seja, está diretamente ligado à sobrevivência  das empresas no mercado atual. Já imaginou realizar isso e ainda com baixo custo?

Por esse motivo, a manutenção autônoma é uma ferramenta de grande potencial para utilização nas empresas que buscam a melhoria do seu processo produtivo.

Sendo assim, é importante conhecê-la para que possa ser utilizada da maneira mais adequada e benéfica. Portanto, nesse artigo você vai aprender:

  • O que é Manutenção Autônoma?

  • Quais os principais objetivos da Manutenção Autônoma?

  • Qual a sua relação com a Manutenção Produtiva Total (TPM)?

  • Passos para a implementação da Manutenção Autônoma;

  • Quais são as vantagens da Manutenção Autônoma?

Então, vamos lá!

 

O que é Manutenção Autônoma?

 

A manutenção autônoma consiste em capacitar a mão-de-obra operária para o emprego de simples técnicas de manutenção, criando um cuidado pelas máquinas e para que possam detectar eventuais problemas futuros, que vão desde limpeza e lubrificação até ajustes e regulagens de máquinas mais específicas.

 

Quais os principais objetivos da Manutenção Autônoma?

 

Os principais objetivos da manutenção autônoma são eliminar fontes de falhas por meio da geração de iniciativas no funcionário, fazendo com que ele tenha liberdade para autogerenciar essa produção, ou seja, desenvolver zelo pelo equipamento por do sentimento de propriedade.

Mas qual a sua relação com a TPM? São ferramentas iguais?

 

Qual a sua relação com a TPM (Total Productive Maintenance)?

 

A Manutenção Produtiva Total (TPM - Total Productive Maintenance) tem por objetivo aumentar a eficácia e alcançar a total potencialidade dos equipamentos por meio de um conjunto de atividades de gerenciamento dos mesmos.

 

Pilares TPM

 

Um pilar do TPM é o de manutenção autônoma, dentre os 8 pilares existentes. A manutenção autônoma é uma das principais responsáveis pela consolidação do TPM e pela mudança de cultura necessária para o sucesso.

Como uma ferramenta de melhoria contínua, a manutenção produtiva total, está totalmente relacionada aos princípios do Lean Manufacturing para eliminação de desperdícios. Se você deseja saber mais sobre os conceitos do Lean Manufacturing, recomendo que faça o nosso curso gratuito de introdução ao Lean Manufacturing. É uma grande oportunidade de se qualificar e aprender sobre uma metodologia utilizada no mundo inteiro!

 

 

Agora, vamos ver como implementar a manutenção autônoma.

 

Passos para implantação da Manutenção Autônoma

 

O primeiro passo antes da implantação da manutenção autônoma é a necessidade de um pré-requisito fundamental conhecido como a base da TPM: o programa 5S. Mas calma, a Voitto te ajuda na aplicação dessa ferramenta. Entenda todo o passo a passo pelo artigo: Programa 5S: o que é e como implantar em sua empresa?

Implementado o programa 5S, veja como acontece a implementação da manutenção autônoma:

 

1 - Limpeza Inicial

 

Nesse primeiro passo, é necessário realizar uma limpeza e ordenação em todos os equipamentos e objetos que estão à vista. Assim, é gerado um maior conhecimento e zelo por parte do operador pela máquina.

 

2 - Eliminar as fontes de sujeira e locais de difícil acesso

 

O objetivo principal é diminuir a limpeza frequente, e isso é realizado por meio de ações que buscam a eliminação de fontes de sujeiras. Além disso, deve-se realizar uma limpeza nos equipamentos que não estão à vista. Se necessário, é possível fazer alterações de layout para facilitar a operação e a manutenção.

 

3 - Padrões de Limpeza e Inspeção

 

Nessa etapa, busca-se padronizar os processos de limpeza e inspeção. Esses padrões devem ser escritos de forma clara e detalhada e fixados em um local com boa visualização e próximo ao equipamento. Dessa forma, ficam claras para o operador as suas responsabilidades.

 

4 - Inspeção Geral

 

É a etapa de capacitação do operador. Consiste em 3 etapas: primeiramente é realizado um treinamento teórico, seguido por um treinamento prático no chão de fábrica e por último uma avaliação do conhecimento adquirido.

Se aprovado no processo, o operador recebe a autonomia de realizar inspeções sem o auxílio da manutenção.

O treinamento é preparado pela equipe de manutenção, supervisores e alta gerência, possuindo como objetivo principal, a transmissão do conhecimento e habilidades detalhadas para o operário.

 

5 - Inspeção Autônoma

 

É realizada uma revisão minuciosa de todos os procedimentos anteriores entre máquina e operário. Pode-se implantar pontos de melhoria por meio da inspeção já realizada pelo operário. Dessa forma, são realizados os procedimentos definitivos dos equipamentos.

 

6 - Organização e Ordem

 

Realizado de forma similar a etapa 5, porém tem foco nos equipamentos ao redor, como bancada, ferramentas, iluminação e layout, ou seja, no processo. Assim, é necessária também a padronização desses processos, a partir dos pontos de melhoria levantados pelo operário.

 

7 - Consolidação da Manutenção Autônoma

 

É o momento de consolidar a implantação da manutenção autônoma, isto é, o operário já pode realizar a autogestão do equipamento. Lembrando sempre de incluir no seu trabalho diário parte das atividades de melhoria contínua.

Mas são apenas essas 7 etapas? E eu já começo a usufruir dos benefícios?

Não é bem assim. Essas etapas só geram resultados quando são muito bem combinadas com dois pontos essenciais: o primeiro é a capacitação, envolvimento e treinamento do operador, e que ele esteja motivado e disposto a mudar.

O segundo, é necessidade de um alinhamento e envolvimento grande entre os operários e o time de manutenção e supervisão. Sem essas caracteristicas, a manutenção autônoma não se consolidará.

 

Quais as vantagens da Manutenção Autônoma?

 

Com as orientações dos 7 passos para a implantação, já é possível aplicar a ferramenta em seu negócio. Assim, listamos as 5 principais vantagens para você começar a usá-la logo e poder usufruir dos resultados.

  • Tratar de forma rápida e prática os possíveis defeitos ou falhas;

  • Maior preservação dos equipamentos;

  • Mudança cultural benéfica para empresa;

  • Maior segurança operacional;

  • Redução das perdas de velocidade.

 

Quer saber mais sobre a ferramenta TPM e o Lean Manufacturing?

 

A TPM e o Lean Manufacturing nos revelam ser metodologias empresariais unidas em prol de um objetivo comum: a melhoria do desempenho produtivo por meio da eliminação de desperdícios.

Para saber mais sobre estas notáveis ferramentas e conferir na íntegra como aplicá-las na sua área e empresa, eu tenho uma sugestão: que tal dar uma olhada no Pacote de Especialista em Lean Manufacturing da Voitto e refletir sobre o que esta formação pode te trazer?