Participar do programa Gestão 4.0 foi uma oportunidade única de aprender práticas de gestão que grandes empresas utilizam para melhorar seus resultados.

Foram 3 dias em uma imersão de conteúdo prático e mentorias com Tallis Gomes (fundador da Easy Taxi), Alfredo Soares (fundador da XTECH COMMERCE) e Bruno Nardon (presidente e sócio-fundador da Rappi Brasil).

Conhecer esses grandes empreendedores que superaram desafios e conquistaram bons resultados é algo inspirador e, certamente, o compartilhamento dessas experiências encurta a nossa curva de aprendizado e faz com que a gente aumente o nosso potencial enquanto empreendedores.

Neste artigo irei trazer os conhecimentos adquiridos sobre gestão 4.0, em uma das palestras de Tallis Gomes, na qual ele tratou de frameworks para tomadas de decisão, comentou sobre as ferramentas que as melhores empresas do mundo utilizam para gerir seus colaboradores e seus resultados, e também explicou como conduzir um processo de contratação e construção de um produto.

 

Mudanças no cenário empresarial

 

Tallis gomes começou a sua apresentação falando sobre:

Apresentou uma comparação entre as empresas que compunham o ranking da Fortune em 2001 e as que compõem hoje, em 2019, enfatizando a mudança significativa que ocorreu no perfil dessas organizações ao longo dos anos.

No início do século, as organizações que eram conhecidas, ou reconhecidas como as mais ricas do mundo, eram as que tinham um alto investimento em recursos para construção e transformação de matéria-prima em produtos.

Por outro lado, no cenário atual, a gente observa que as empresas que estão entre as mais valiosas do mundo são empresas com modelos de negócios disruptivos, escorados na prestação de serviço e soluções de tecnologia intensa.

 

Qual o tamanho ideal de uma equipe?

 

Dentro dessas alterações que ocorreram no cenário empresarial, Tallis Gomes ressalta a mudança no volume dos times dentro das organizações.

E para mostrar isso, ele apresentou uma pesquisa do estudioso Richard Hackman (Ex-professor da Harvard), em que ele mostra que a eficiência dos times diminui à medida que eles aumentam, e que um  líder tem uma quantidade ideal de pessoas para gerenciar, que é entre 6 e 7 pessoas.

Para reforçar ainda mais essa questão dos times, Tallis Gomes traz um conceito instituído por Jeff Bezos (presidente e CEO da Amazon), o qual ele chama de “Equipes 2 pizzas”, que diz: 

“Se uma equipe não pode ser alimentada por 2 pizzas, ela é grande demais para discutir ideias”.

Além de melhorar gerenciamento e a  produtividade da equipe, Tallis também ressalta a melhoria no one-to-one semanal, que é um momento único, em que gestor e colaborador alinham expectativas e entregas, mostram o desempenho da semana anterior, as atividades que serão realizadas na semana seguinte e como o gestor ou líder pode ajudar a fazer com que as metas e os resultados sejam alcançados.

 

Como atrair bons colaboradores?

 

Após aprender o tamanho ideal de uma equipe, Tallis Gomes fala sobre outro tópico de extrema importância, que é o pilar de pessoas.

Nesse momento ele explica como grandes empresas de tecnologia criam mecanismos de atração e retenção de talentos.

Tallis cita o que ele chama de Rex para encontrar o triple A, ou seja, o profissional que é AAA, de altíssima performance.

Ele comenta que uma maneira de atrair esses profissionais é através de palestras em universidades, de artigos de geração de conteúdo em plataformas como Medium e Linkedln.

Além disso, o  Linkedln também deve ser usado como ferramenta de identificação, de investigação e de procura, é claro, como um bom serviço de PR Public relationship, ou assessoria de imprensa, para que você ou a sua empresa ganhem notoriedade na mídia, se tornando alvo e desejo por parte das pessoas que estão em busca de oportunidades de contratação.

 

Como identificar um profissional AAA?

 

O primeiro ponto está na condução da entrevista, pois esse é o primeiro contato do candidato com a empresa. Devido a isso, é ressaltada na palestra a importância do gestor de Recursos Humanos ou até mesmo do  CEO participar do processo de atração e de seleção de pessoas para sua empresa.

Tallis Gomes diz que uma entrevista deve ser conduzida como um processo de conquista e relacionamento, um verdadeiro date.

Então esse é o momento de gerar a primeira impressão positiva e despertar a atração das pessoas para trabalhar com você.

Durante esse processo de conquista, aproveite para avaliar quais são os hobbies do candidato, pois isso diz muito sobre as práticas, hábitos, rotinas e sobre a aderência cultural que ele pode vir a ter com a empresa, a qual é fundamental para sua retenção na mesma.

Outra sugestão, também dada para o momento da entrevista, é pedir aos candidatos para apresentarem uma opinião polêmica e defender a sua visão, e com isso observar o seu comportamento durante a sua fala.

Tallis aponta, em sua palestra, 4 características que são observadas no profissional AAA, que são: criatividade com inteligência, independência e comprometimento

Para exemplificar a identificação de um profissional AAA, ele apresenta a metodologia que o Google utiliza, que é feita a partir da avaliação de 4 competências, que são:

  • fit da vaga com o candidato;

  • O conhecimento técnico em relação à vaga;

  • O potencial em formar substitutos, que é fundamental para que o crescimento aconteça;

  • E talvez o mais importante dos critérios, o fit cultural da empresa para com a cultura do candidato.

Então ao final da entrevista, analisando esses fatores, você irá conseguir saber se aquele é ou não um profissional AAA.

 

Como contratar um AAA?

 

O primeiro recado é: esteja sempre entrevistando e buscando talentos, pois é dessa forma que irá encontrar profissionais que queiram trabalhar e gerar diferencial dentro da organização.

Uma outra coisa muito importante nesse processo de atração de pessoas é compartilhar com o time a responsabilidade de encontrar os profissionais AAA, afinal, gente boa traz gente boa.

Além disso, Tallis Gomes ressalta a importância de compartilhar com o time a decisão da entrada ou não de novas pessoas, pois isso aumenta a taxa de retenção e de aceitação da equipe com os novos integrantes.

 

Como construir um bom produto?

 

Na sequência, Tallis Gomes falou sobre a construção de novos produtos, e ele começa comentando que a forma como se constrói um produto pode também ser aplicada na construção de qualquer tipo de serviço.

E para dar início ao assunto, Tallis Gomes apresenta o conceito clássico do  MVP (Minimum Viable Product), que é um conceito de protótipo funcional importado do sistema Toyota de produção.

Para essa construção de produtos mínimos viáveis, Tallis Gomes deu um exemplo fantástico do Google, o qual utiliza uma metodologia que é ou pode ser operacionalizada e executada em uma semana, o Design Sprint, que é realizado a partir das seguintes etapas:

  • Understand - Entender o problema;

  • Sketch - Fazer um esboço de possíveis soluções;

  • Decide - Decidir qual será a melhor escolha;

  • Prototype - Criar um protótipo a partir da solução escolhida; e

  • Validate - Por fim, testar e validar a ideia.

Em seguida, Tallis Gomes destaca algo muito interessante; ele diz: “Não existe nada que não possa ter um protótipo funcional em uma semana”.

Então, se é necessário mais de uma semana para executar determinado protótipo, significa que o mesmo está mais avançado do que deveria, com isso, é necessário diminuir esse produto mínimo viável de forma que a sua criação se encaixe em uma semana.

E quem deve participar desse processo de construção do produto? Tallis Gomes responde a este questionamento através de um conceito muito interessante chamado de working backwards approach, que vem da Amazon, e diz a respeito à inclusão do time de pesquisa e desenvolvimento na criação do produto.

A vantagem disso é que ninguém melhor do que o time que conhece o produto para contar suas dificuldades, propor soluções e apontar as questões principais que podem surgir durante a experiência do usuário.

Nesse momento também é citada uma máxima do mercado, que diz: “Se determinada solução tecnológica, ou determinado produto precisa de manual é porque ele não está bom”, ou seja, o produto deve ser tão simples quanto isso, para não precisar de um manual.

E surge o questionamento de como fazer um produto bom e simples de consumir. Jeff Bezos, da Amazon, diz que os seus processos iniciativos estão sempre no Beta, o always Beta, que significa que nós estamos sempre trabalhando para lançar a versão seguinte e, com isso, melhorar continuamente.

 

Como avaliar a experiência do cliente?

 

As empresas que crescem são obcecadas por entender e melhorar a experiência do usuário e, para que isso seja alcançado, é importante trabalhar quatro pilares: 

  • De onde vieram os usuários?

  • Por que eles decidiram usar o seu produto?

  • O que eles amaram?

  • E o que eles detestaram?

E isso é muito importante, tanto que Bill Gates tem uma frase na qual ele fala que o seu melhor cliente é aquele que te odeia, porque é um cliente que vai poder te ensinar, além de trazer muitos insights do aprimoramento do seu processo.

 

Quais métricas devo usar no meu negócio?

 

Tallis Gomes, em sua palestra, fala também sobre a importância da  construção de KPI’s, que são os indicadores-chave do processo.

Afinal de contas, como diz Vicente Falconi: “não se pode gerenciar o que não se mede e não se pode melhorar o que não se mede”.

Então KPI’s e indicadores de medições são críticos para que a gente possa realmente dar saltos de patamar no nosso processo.

Tallis relata 5 medições importantes que devem ser feitas, que são: 

  • número de clientes que se pode ter;

  • CAC (custo de aquisição de clientes) -  é o valor que mostra quanto uma empresa gasta para adquirir um novo cliente;

  • LTV (lifetime value) - é valor do tempo de vida do cliente, ele mostra o retorno monetário que a sua empresa conquistará através das aquisições feitas pelo cliente;

  • COHORT Retention - é uma análise que mede o comportamento dos clientes dividindo-os em características comuns entre eles;

  • LTD (lifetime value to date) - é o retorno monetário que a sua empresa irá conquistar através de aquisições feitas pelo cliente em um determinado período;

  • NPS (Net Promoter Score) - é uma métrica desenvolvida para medir os níveis de lealdade do cliente.

 

OKR - O jeito Google de construir metas 

 

Tallis Gomes compartilha a experiência do Google com a implantação do  OKR (objectives and key results) , que é a forma como as empresas mais valiosas do mundo criam suas metas.

A construção do OKR é recomendada por um direcionamento de construção trimestral quarter, ou seja, fecha por trimestre.

Outro ponto importante, sobre o OKR, é definir 3 objetivos e 3 resultados-chave, em que os mesmos precisam ser sempre claros e metrificáveis.

Além disso, para ter um OKR com sucesso é importante que eles sejam bottom up, ou seja, com o envolvimento de toda a liderança, e é claro, que haja mensuração das entregas durante o processo.

 

Como tomar uma boa decisão?

 

Na sua apresentação, Tallis Gomes fala também sobre o processo de decisão, como tomar decisões mais assertivas dentro das empresas.

E para exemplificar ele cita a metodologia da Amazon, a qual direciona o processo de tomada de decisão para uma discussão livre, e a partir dela chega a uma decisão clara, e a mesma precisa ser aceita ou, como citado por Tallis Gomes, o commitment, ou seja, é necessário que todos se comprometam com a decisão final.

Então, esse é um processo para tomar decisões no qual todo mundo dá as opiniões, daí chega-se a um consenso, mesmo que ele não seja absoluto é importante que todos se comprometam com a decisão pensada de forma geral.

 

Como fazer uma expansão internacional?

 

Finalizando a sua fala, Tallis Gomes comenta sobre os desafios da expansão internacional frente a Easy Taxi, e como ele conseguiu criar uma Startup que alcançou 30 países pelo mundo afora.

Tallis menciona os primeiros passos para uma escala Internacional, que são: 

  • Analisar o mercado;

  • Testar o playbook, que é o script de operação e comercialização do produto, para testar a funcionalidade dele;

  • Definir o stop loss, ou seja, qual que é o nível de investimento que eu vou fazer até que eu fique confortável ou desconfortável e defina meu ponto de saída do negócio;

  • Montar a estruturação legal;

  • Contratar um Country Manager, que vai ser o responsável pelas alterações daquele país;

  • Montar o escritório;

  • Por fim realizar o Kick off, que é a primeira reunião com a equipe do projeto e o cliente do projeto.

 

Tallis Gomes finaliza sua fala com a máxima: “feito é melhor que perfeito“, valorizando assim a importância da velocidade da ação e das tomadas de decisão frente ao mundo moderno e os Desafios de um gestor 4.0.